Vai poder voltar a caçar-se elefantes no Botswana: proibição levantada

Desde 2014 que é proibido caçar esta espécie no Botswana, onde estão concentrados um terço dos elefantes africanos.

O governo do Botswana suspendeu a proibição de caça ao elefante. Na origem da decisão está o aumento dos conflitos entre estes animais e homens, uma vez que os elefantes estão a destruir muitas plantações agrícolas, segundo a BBC.

O aumento substancial de elefantes, provocado pela proibição da caça em 2014, está a fazer com que estes se desloquem para áreas onde normalmente não chegavam. E a população queixa-se de que estão a destruir plantações e a matar pessoas. Existem cerca de 130 mil elefantes no Botswana - um terço dos elefantes africanos. A maioria vive no norte do país e desloca-se entre Namíbia, Zâmbia e Zimbabwe.

Em junho do ano passado, o presidente Mokgweetsi Masisi criou um grupo de trabalho para rever a proibição imposta pelo seu antecessor, Ian Khama. E em fevereiro, este comité recomendou a suspensão da proibição. "Recomendamos um quadro legal que permita o crescimento de uma indústria de caça de safáris e gira a população de elefantes do país dentro dos limites históricos", disse na altura o ministro do Desenvolvimento Rural,Frans Van Der Westhuizen, que presidiu ao grupo de trabalho.

Há no entanto quem não esteja de acordo com a decisão e aponte o dedo ao presidente, acusando-o de defender esta medida para aumentar a sua popularidade antes das eleições de outubro.

O turismo relacionado com a caça é a segunda maior receita do país, depois da exploração de diamantes. Até o rei emérito espanhol Juan Carlos chegou a deslocar-se ao Botswana para este efeito, numa viagem que ficou marcada pela polémica do monarca abandonar o seu país numa altura de grandes dificuldades económicas (2012).

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.