Um segundo navio de guerra britânico chegou ao Golfo

Em plena crise dos petroleiros entre Inglaterra e o Irão um segundo navio de guerra britânico chegou ao Golfo para garantir "a segurança" das embarcações britânicas que utilizam o estreito de Ormuz.

O contratorpedeiro HMS Duncan trabalhará para garantir "a passagem em segurança dos navios com pavilhão britânico no estreito de Ormuz juntamente com o HMS Montrose", uma fragata já no Golfo, indicou o Ministério da Defesa do Reino Unido.

"A liberdade de navegação no estreito de Ormuz é vital não apenas para o Reino Unido, mas também para os nossos parceiros e aliados internacionais", sublinhou o ministro da Defesa, Bem Wallace.

O ministério tinha anunciado na quinta-feira ter ordenado à Marinha Real que escoltasse os navios civis com pavilhão britânico naquele estreito.

A tensão tem vindo a aumentar na região desde a retirada unilateral norte-americana em maio de 2018 do acordo nuclear iraniano e do restabelecimento de pesadas sanções. Intensificou-se nas últimas semanas com ataques contra petroleiros no Golfo, atribuídos por Washington a Teerão, que desmente qualquer envolvimento.

A 19 de julho, o Irão apresou um petroleiro com pavilhão britânico, o Stena Impero, no estreito de Ormuz, 15 dias após o apresamento do petroleiro iraniano Grace 1 pelas autoridades britânicas ao largo de Gibraltar, agravando ainda mais a situação.

O anterior chefe da diplomacia britânica, Jeremy Hunt, tinha apelado há uma semana à criação de uma "missão de proteção marítima dirigida pelos europeus" no Golfo.

Alguns dias depois, a ministra das Forças Armadas de França explicou numa entrevista que Paris, Londres e Berlim planeavam "coordenar" os seus meios e "partilhar informações" no Golfo para reforçar a segurança marítima na zona, mas sem deslocar outros meios militares.

O presidente do Irão, Hassan Rohani, já tinha respondido a Jeremy Hunt, assinalando que o Irão "tem sido e será o principal guardião da segurança e da liberdade de navegação no Golfo Pérsico, no estreito de Ormuz e no mar de Omã".

No domingo, o porta-voz do governo iraniano Ali Rabiei, citado pela agência Isna, declarou: "Ouvimos dizer que eles [os europeus] pretendem enviar uma frota europeia para o Golfo Pérsico", denunciando uma "mensagem hostil" e um ato "provocador" que vai "acentuar as tensões".

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.