UE não vai apressar uma decisão sobre adiamento do Brexit

"Estamos à espera de maior clareza no final da semana, esperando que nessa altura seja possível ver como as coisas se desenvolvem em Londres", disse um diplomata à Reuters após um encontro dos embaixadores dos restantes 27 países em Bruxelas. Londres insiste numa saída a 31 de outubro.

A União Europeia vai levar o seu tempo em vez de apressar uma decisão sobre o relutante pedido de extensão do prazo de saída do Reino Unido da União Europeia, enviado na noite de sábado pelo primeiro-ministro Boris Johnson.

Os embaixadores dos 27 outros países da União Europeia estiveram reunidos durante 15 minutos, este domingo, em Bruxelas. Os diplomatas decidiram continuar com os preparativos para o Brexit, como previsto, enviando o acordo negociado por Johnson e os líderes europeus para aprovação no Parlamento Europeu. Este reúne-se em Estrasburgo na próxima semana.

"Estamos à espera de maior clareza no final da semana, esperando que nessa altura seja possível ver como as coisas se desenvolvem em Londres", disse um diplomata à Reuters.

Outro contou que a reunião foi muito rápida. "Sem perguntas, sem discussão. Estamos à espera".

Já o principal negociador do Brexit da União Europeia, Michel Barnier, falou de uma reunião "muito curta e normal", dizendo aos jornalistas que vai esperar para ver a posição do Parlamento Europeu.

No sábado, o Parlamento britânico aprovou uma moção que adiou a votação do acordo de Brexit de Johnson até à aprovação da legislação necessária, obrigando o primeiro-ministro britânico a pedir uma extensão do prazo de saída a Bruxelas.

Johnson insiste contudo que o Reino Unido vai sair da União Europeia a 31 de outubro. O mesmo fez já este domingo o ministro Michael Gove, uma espécie de número dois do governo britânico, admitindo que fez uma aposta com o ministro da Saúde, Matt Hancock, de que o Brexit será nesse dia. Gove disse ainda, numa entrevista com a Sky News, que o governo está a acelerar os preparativos para uma saída sem acordo.

Por seu lado o chefe da diplomacia, Dominic Raab, mostrou-se confiante na BBC de que Johnson tem os números suficientes para garantir o apoio ao seu acordo no Parlamento esta semana, permitindo uma saída a 31 de outubro como previsto.

Exclusivos