Turquia confronta-se com "uma das maiores vagas de terrorismo"

Erdogan promete reprimir os rebeldes curdos e o grupo extremista Estado Islâmico.

A Turquia confronta-se com "uma das maiores vagas de terrorismo da sua história", afirmou hoje o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, prometendo reprimir os rebeldes curdos e o grupo extremista Estado Islâmico (EI).

"Vamos atingir estas organizações terroristas com toda a força possível", declarou Erdogan, num discurso público em Istambul, pedindo aos turcos que "se mobilizem" contra esta ameaça, na sequência de seis atentados bombistas em oito meses que causaram mais de 200 mortos.

Um grupo rebelde curdo reivindicou dois recentes ataques bombistas em Ancara.

Erdogan questionou "a sinceridade" dos países da União Europeia no apoio ao combate do governo turco contra os rebeldes do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK, ilegalizado) e denunciou "a hipocrisia" dos 28.

O PKK foi considerado um grupo terrorista e integra "a lista negra" na Turquia e dos aliados ocidentais de Ancara.

"Como se pode falar de sinceridade quando a organização terrorista (PKK) pode montar uma tenda em Bruxelas, em frente ao edifício do Conselho Europeu", questionou Erdogan, numa referência a uma tenda de ativistas curdos presente na capital belga durante a cimeira UE-Turquia, na passada semana.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.