Tunísia diz que 800 'jihadistas' que regressaram estão detidos ou a ser vigiados

Cerca de 3.000 tunisinos juntaram-se às fileiras dos grupos 'jihadistas', segundo o governo tunisino

A Tunísia anunciou hoje ter detido ou estar a vigiar de perto 800 'jihadistas' que regressaram ao país vindos de zonas de conflito na última década.

"Alguns estão na prisão, alguns estão em prisão domiciliária e outros estão sob apertada vigilância", disse o porta-voz do Governo tunisino Iyed Dahmani sobre os combatentes que voltaram ao país de origem desde 2007.

Cerca de 3.000 tunisinos juntaram-se às fileiras dos grupos 'jihadistas' que combatem na vizinha Líbia, bem como na Síria e no Iraque, indicou Dahmani, embora a ONU apresente um número diferente, 5.000.

Na quinta-feira, o primeiro-ministro tunisino, Youssef Chahed, declarou que todos os 'jihadistas' que regressem a casa depois de combater no estrangeiro serão imediatamente detidos e julgados de acordo com a lei antiterrorista do país.

O chefe do executivo precisou ainda que as autoridades têm "listas de todos os [cidadãos tunisinos] terroristas" e "toda a informação sobre eles".

Na semana passada, o ministro do Interior, Hedi Majdoub, disse no parlamento que já regressaram das linhas da frente 800 'jihadistas'.

As preocupações com o regresso aumentaram desde que o cidadão tunisino Anis Amri, de 24 anos, foi identificado como o alegado atacante que atropelou com um camião 11 pessoas num mercado de Natal em Berlim, na semana passada, depois de ter matado o motorista.

Cidadãos tunisinos concentraram-se em frente ao parlamento no passado fim de semana para protestar contra o facto de as autoridades estarem a deixar os combatentes extremistas regressar ao país.

O Sindicato Nacional das Forças de Segurança Interna instou o Governo a retirar a nacionalidade aos 'jihadistas' tunisinos.

Mas o Presidente, Beji Caid Essebsi, argumentou, citando a Constituição, que as autoridades não podem impedir um cidadão nacional de voltar ao país natal.

Desde a sua Revolução de Jasmim, em fim de 2010 e princípio de 2011, a Tunísia foi alvo de repetidos ataques terroristas, que mataram mais de 100 soldados e polícias, bem como cerca de 20 civis e 59 turistas estrangeiros, de acordo com números oficiais.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...