Túmulo de Jesus Cristo aberto ao público após dez meses de obras

O projeto custou mais de 3,5 milhões de euros e começou em maio de 2016

Após dez meses de obras de restauro, o túmulo onde Jesus Cristo terá sido sepultado foi esta quarta-feira revelado numa cerimónia na igreja do Santo Sepulcro em Jerusalém.

O grande projeto de restauro, que custou mais de 3,5 milhões de euros, começou em maio de 2016 e hoje, com a presença de muitos representantes das várias denominações cristãs, o edifício foi revelado.

"Antes, o monumento era todo preto," as paredes do santuário estavam escurecidas pelo fumo das velas dos peregrinos" disse à agência France-Presse a arqueóloga responsável pelo projeto Antonia Moropoulou acrescentando que a partir de hoje o edifício " retomou sua verdadeira cor, a cor da esperança".

Moropoulou explicou que foi limpa e renovada toda a Edícula da igreja, incluindo as colunas e a cúpulas.

A Edícula da Igreja do Santo Sepulcro, em Jerusalém, é um dos locais mais sagrados do Cristianismo, local onde, de acordo com a tradição cristã, Jesus foi sepultado depois da crucificação.

Desde pelo menos o ano de 1555, o túmulo encontrava-se coberto por uma laje de mármore. Agora, um conjunto de arqueólogos conseguiu levantar a laje, numa operação de restauro que custou mais de 3,5 milhões de euros.

O projeto nasceu de um convite do Patriarcado Greco-Ortodoxo de Jerusalém, que, com a autorização da Igreja Católica Romana e das Ortodoxas Orientais, chamou especialistas da Universidade Técnica de Atenas para estudar a Edícula.

O local teve em outubro um momento "histórico": a laje de mármore que cobria o túmulo foi removida por três dias. A última vez que alguém chegou ao coração do lugar mais sagrado do cristianismo, foi em 1810, quando foi feito um trabalho de restauro após um incêndio.

Nos anos 1960 e 1990, mais reformas foram efetuadas em diferentes parte da igreja, localizada na Cidade Velha de Jerusalém, perto dos locais sagrados do judaísmo e do islamismo como o Muro das Lamentações e a Esplanada das Mesquitas.

Exclusivos

Premium

Contratos públicos

Empresa que contratava médicos para prisões não pagou e sumiu

O Estado adjudicou à Corevalue Healthcare Solutions, Lda. o recrutamento de médicos, enfermeiros, psicólogos e auxiliares para as prisões. A empresa recrutou, não pagou e está incontactável. Em Lisboa há mais de 30 profissionais nesta situação e 40 mil euros por pagar. A Direção dos Serviços Prisionais diz nada poder fazer.