Trump obrigado a desistir do seu plano de saúde mas diz que Obamacare "vai explodir"

Decisão surge depois de Presidente saber que não teria votos suficientes. Agora deverá surgir uma reforma dos impostos

Donald Trump adiou definitivamente a votação do plano de saúde, depois de ter sido informado que não teria votos a favor suficientes.

O Presidente pretendia colocar em prática o American Health Care Act, a versão republicana do plano de saúde norte-americano que seria para substituir o Obamacare, nome dado ao plano de saúde instituído por Barack Obama, o Affordable Care Act.

A Reuters diz também que Donald Trump afirmou que "Obamacare vai explodir". Deixou ainda uma palavra de apreço a Paul Ryan, que "trabalhou, muito, muito" e diz que os Republicanos estiveram a 10/15 votos de conseguir passar a lei. É agora provável que a próxima medida seja uma reforma dos impostos.

Trump diz que "de alguma forma isto até é melhor", visto que vai obrigar os democratas a irem ter com os republicanos, "quando forem civilizados", "para discutir uma melhor legislação".

Admitiu ainda que alguns setores do seu próprio partido estariam entre as causas da queda do seu plano de saúde. "Aprendemos muito sobre lealdade nestes dias", disse.

À imprensa norte-americana Trump afirmou ter uma grande relação com o partido.

Paul Ryan visitou esta sexta-feira Donald Trump, na Casa Branca, para o informar da ausência de votos. O Presidente tinha lançado um ultimato para que a lei fosse votada hoje, sendo incerto agora se a votação da lei vai ser recalendarizada, diz a Reuters.

De acordo com a mesma fonte, alguns republicanos estarão "fartos" da lei que se propõe a substituir o Obamacare.

O American Health Care Act foi uma das principais bandeiras da campanha presidencial de Donald Trump.

A notícia foi dada em primeiro lugar pelo jornalista Robert Costa, do Washington Post. Diz também no Twitter que um acordo entre Republicanos e Democratas poderá estar no horizonte.

Trump parece não colocar quaisquer culpas em Paul Ryan, republicano presidente da Câmara dos Representantes dos EUA.

Paul Ryan já falou e comentou o facto de ser difícil passar da oposição para o governo. Afirma ter falado com Trump e terem decidido que retirar a lei de votação seria a melhor decisão.

"Estou orgulhoso do nosso plano de saúde. O pior ainda está para vir com o Obamacare. Temos que fazer melhor e faremos. Isto foi um contratempo, não há dúvida. Estivemos muito próximos do consenso, mas não aconteceu", afirmou.

"Obamacare é uma lei que está a colapsar e a prejudicar as famílias norte-americanas. Vamos ter essa lei num futuro próximo e não sei quando a vamos poder substituir. As projeções a que temos acesso dizem que Obamacare só vai piorar. Gostava que tivéssemos o consenso necessário não conseguimos, mas estivemos perto. Fizemos tudo o que podíamos, saibam isso", acrescentou.

"Vamos chegar lá, mas hoje não conseguimos", disse ainda sobre a votação.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

O bom trabalho do José Mário Branco 

Foram três serões de espanto. Assisti à gravação do disco Sempre, de Katia Guerreiro, que foi produzido por José Mário Branco com a consultadoria da mulher, Manuela de Freitas. Foi há cerca de um ano. Assisti a tudo e o objetivo era descrevê-lo numa reportagem que havia de fazer capa de uma das novas edições do Diário de Notícias, nessa altura em preparação, em maio de 2018. Mas, na verdade, aquilo que tive foi uma experiência de vida, daquelas que constituem marcos de existência.

Premium

Marisa Matias

Baralhar e dar de novo

Na próxima semana irá finalmente a votos a Comissão Von der Leyen. Depois de propostas de nomes rejeitadas, depois de várias controvérsias associadas aos novos portfólios apresentados pela presidente eleita, finalizou-se o processo sem, contudo, eliminar a ameaça de conflitos de interesses ou mudar significativamente os portfólios. Nas contas finais, parece que tudo não passou de um jogo de equilíbrios partidários, muito longe dos interesses dos cidadãos.