Trump vence um processo contra Stormy Daniels

Tribunal federal deu razão ao presidente dos Estados Unidos. A atriz acusava-o de difamação.

Um juiz federal decidiu esta segunda-feira arquivar o processo de difamação da atriz pornográfica contra Donald Trump. Stormy Daniels tinha apresentado queixa num tribunal federal em Nova Iorque, em abril deste ano, onde acusava o presidente dos Estados Unidos de mentir quando negou não ter enviado uma pessoa para lhe pedir para não revelar nada sobre o alegado encontro sexual entre ambos.

Em resposta à atriz, Donald Trump disse que esta estaria a falar de "um homemque não existe", apontando aquilo de que era acusado como "fake news". O tribunal vem agora dar razão a Donald Trump, com o argumento de que o tweet em questão se trata de uma "hipérbole retórica normalmente associada à política e discurso público nos EUA". O juiz distrital de Los Angeles James Otero acrescentou ainda que "a Primeira Emenda protege este tipo de declaração retórica".

Na altura em que a acusação foi oficial, a queixosa considerou o tweet em questão difamatório e o seu advogado alegou que Stormy Daniels "foi exposta a ameaças de morte e outras ameaças de violência física". Stormy Daniels disse ter sido abordada por um desconhecido num parque de estacionamento em Las Vegas em 2011, que lhe pediu para manter a sua relação com o presidente em 2006 em segredo.

Contudo, os advogados de Trump argumentaram que a atriz pornográfica se aproveitou financeiramente da situação que entretanto tinha feito questão de tornar pública.

Stormy Daniels tinha já apresentado uma queixa em tribunal para invalidar um acordo de confidencialidade sobre o caso, que alegava ter sido assinado com o advogado pessoal de Donald Trump, Michael Cohen, dias antes da eleição presidencial de 2016. Contudo, um juiz federal de Los Angeles tinha já rejeitado o requerimento de Daniels, onde esta pediu que o presidente testemunhasse em tribunal.

A atriz de 39 anos já se tinha disponibilizado para devolver os 130 mil dólares (equivalente a 105 mil euros) estipulados no acordo em questão, pois considerou o contrato inválido, uma vez que não tinha sido assinado por Trump e sim pelo seu advogado.

Esta não é a primeira mulher que alega ter tido uma relação com o presidente já quando este estava casado com Melania Trump. Também Karen McDougal, uma modelo da Playboy, já partilhou publicamente pormenores sobre uma relação que diz terem mantido durante dez meses.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.