Trump revela por acidente localização e identidades de força especial dos EUA

Presidente norte-americano colocou no Twitter um vídeo da sua visita ao Iraque. Nas imagens pode ver-se um grupo de militares que os especialistas identificam como elementos das forças especiais dos EUA

O presidente norte-americano Donald Trump divulgou um vídeo da sua visita ao Iraque, na quarta-feira (dia 26), em que surge junto de militares que farão parte dos Navy Seals. A confirmar-se que estes militares são efetivamente da equipa de operações especiais, trata-se de uma quebra de segurança importante, pois a localização dos militares desta força especial norte-americana nunca é revelada.

No vídeo, colocado na rede social Twitter, Trump surge ao lado de vários soldados que, segundo a revista Newsweek, farão parte da Seal Team Five e os seus rostos não foram cobertos.

De acordo com a revista, fonte oficial do departamento de Defesa dos EUA frisou que as informações sobre a localização das equipas Seal - uma das principais forças especiais norte-americanas - é sempre mantida em segredo, sendo que Donald Trump, como comandante supremo das forças armadas, tem a autoridades para desclassificar todas as informações. Porém, os rostos dos militares são tapados em todas as fotos e vídeos oficiais de forma a proteger as suas identidades.

Em declarações à NBC News, o gabinete do Secretário da Defesa garantiu que nenhuma regra de segurança tinha sido violada: "Os operacionais participaram voluntariamente neste evento aberto à imprensa." Trump tirou uma selfie com o tenente da marinha Hyu Lee, que disse ser o capelão do Seal Team Five, equipa que está sediada no Coronado (Califórnia).

O presidente norte-americano colocou o vídeo no Twitter depois de o Air Force One - o avião presidencial - ter deixado o espaço aéreo iraquiano após uma visita surpresa às tropas que estão colocadas na Base Aérea Al Asad, a oeste de Bagdad. Nesta deslocação, que durou três horas, esteve acompanhado pela mulher, Melania.

"Foi uma honra para mim e para Melania visitar as nossas incríveis tropas na Base Aérea de Al Asad, no Iraque. Deus abençoe os EUA", escreveu Donald Trump no Twitter.

Malcolm Nance, que trabalhou na inteligência naval dos EUA, disse à Newsweek que o vídeo revela uma quebra de protocolo, pois geralmente a identidade dos elementos das forças especiais é protegida, principalmente quando estão em zonas de combate.

"A segurança operacional é o aspeto mais importante da colocação das pessoas. Os nomes, rostos e identidades do pessoal envolvido em operações ou atividades especiais são geralmente um segredo bem guardado numa zona de combate", disse. "Revelá-los, através de uma exposição incomum nos media, mesmo que seja o comandante supremo, provocaria um aumento da propaganda se qualquer um desses elementos fosse detido por um governo hostil ou capturado por um grupo terrorista. Não haveria hipótese de negar quem você é ou o que faz", concluiu.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.