Trump empregou imigrantes ilegais - mas já os despediu

Depois de rebentar a polémica por causa da construção do muro do México, os trabalhadores foram despedidos de um campo de golfe do Presidente dos EUA.

Os imigrantes indocumentados são uma parte importante da força laboral dos negócios de Donald Trump mas agora estão a ser despedidos, em plena guerra do presidente do EUA com o poder legislativo por causa da construção de um muro na fronteira dos EUA com o México, medida que o Presidente dos EUA defende precisamente para evitar a imigração ilegal.

Um artigo este sábado no Washington Post conta que, no passado dia 18, uma dúzia de imigrantes ilegais trabalhadores no Trump National Gulf Club, no condado de Westchester, em Nova Iorque, foram chamados à direção de recursos humanos, um a um, para serem despedidos. Todos têm origem latina, alguns receberem prémios de funcionários do mês - e o facto de estarem indocumentados foi o argumento para serem dispensados.

Neste campo de golfe há um filho de Donald Trump, Eric, que tem uma casa, e alguns dos funcionários despedidos eram importantes ao ponto de terem as chaves desta casa.

Já no ano passado tinham sido avançadas notícias de que Trump empregava trabalhadores indocumentados noutra propriedade sua, um campo de golfe em New Jersey - e esses trabalhadores foram despedidos depois das notícias.

Gabriel Sedano, mexicano, disse ao Washington Post que começou a chorar quando lhe comunicaram o despedimento. Sedano trabalhava para Donald Trump desde 2005 - ou seja, há quase 15 anos. E nunca lhe tinham pedido documentos que confirmassem a regularidade da sua situação.

Os negócios do presidente Trump incluem 16 campos de golfe e onze hotéis, nos EUA e no estrangeiro, e a gestão quotidiana está a cargo dos seus filhos, Donald Trump Jr. e Eric.

Numa declaração por email, Eric Trump afirmou: "Estamos a fazer um grande esforço para identificar qualquer funcionário que forneceu documentos falsos e fraudulentos para obter um emprego de forma ilegal. Quando identificado, o contrato será rescindido imediatamente."

Eric acrescentou que é por causa destes problema que o seu pai tem lutado tão "arduamente" por uma reforma que trave a imigração ilegal. "O sistema não funciona", disse.

O conflito entre Donald Trump e o Congresso por causa dos fundos necessários pela administração para construir o muro fronteiriço levaram o presidente dos EUA a determinar um encerramento do funcionamento do Governo ("shut down") que durou 35 dias.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?