Trump elogia "transparência" do filho sobre o encontro com advogada russa

Donald Trump Jr. revelou troca de e-mails que levou à marcação da reunião, onde pensava que ia receber informação contra Clinton

"O meu filho é uma pessoa de grande qualidade e aplaudo a sua transparência", disse ontem o presidente norte-americano, Donald Trump, após o filho mais velho ter divulgado a troca de e-mails que resultaram no seu encontro com uma advogada russa durante a campanha presidencial. Os documentos mostram que a reunião foi marcada depois de ter sido prometido a Donald Trump Jr. informações alegadamente da parte do governo russo que poderiam incriminar Hillary Clinton, a adversária democrata do pai.

Várias comissões no Congresso e o procurador especial Robert Mueller estão a investigar a alegada interferência da Rússia nas eleições presidenciais norte-americanas - e há já um senador democrata, Tim Kaine, que alega que isto poderá acabar numa acusação de "traição". Só uma semana depois do encontro entre Donald Jr. e a advogada Natalia Veselnitskaya é que surgiram notícias de que o Comité Nacional Democrata tinha sido alvo de pirataria informática - as informações roubadas seriam divulgadas mais tarde pela WikiLeaks e só em outubro o governo dos EUA acusou publicamente a Rússia de ser a responsável.

Esta é a primeira confirmação oficial de que um membro próximo de Trump se encontrou com oficiais russos na expectativa de receber informações contra Clinton. O presidente e a equipa têm repetido em várias ocasiões que não houve conluio com o Kremlin. As autoridades russas também negam qualquer interferência nas eleições dos EUA.

A troca de e-mails é com o publicitário britânico Rob Goldstone, ex--jornalista de tabloides que é agente de uma das maiores estrelas da música pop russa, Emin Agalarov. Este é filho de Aras Agalarov, empresário do imobiliário por vezes apelidado de "Trump da Rússia" que tem ligações ao presidente Vladimir Putin. Agalarov também já trabalhou com Trump quando o concurso Miss Universo foi para Moscovo, em 2013, e ambos chegaram a pensar construir um hotel na capital russa, o que nunca chegou a acontecer.

"O Emin acabou de telefonar e pediu-me para te contactar com algo muito interessante", lê-se no primeiro e-mail de Goldstone, datado de 3 de junho. "O procurador da coroa da Rússia encontrou-se com o pai dele, Aras, esta manhã e na reunião ele ofereceu-se para dar à campanha de Trump alguns documentos oficiais e informações que podem incriminar Hillary e as suas ligações à Rússia e seriam muito úteis para o teu pai."

A Rússia não é uma monarquia, pelo que não existe um procurador da coroa, como no Reino Unido. Mas há um procurador-geral, que atualmente é Yury Chaika, que foi nomeado por Putin e será próximo da advogada Veselnitskaya, com quem Donald Jr. se encontraria seis dias depois em Nova Iorque. "Isto é obviamente informação de nível muito elevado e sensível mas é parte do apoio da Rússia e do seu governo a Trump", lia-se ainda no primeiro e-mail de Goldstone.

O filho mais velho de Trump respondeu numa questão de minutos: "Se é aquilo que dizes, adoro." No dia seguinte, depois de voltar a contactar Emin, o publicitário britânico diz querer marcar uma reunião entre Donald Jr. e "o advogado do governo russo que vai voar de Moscovo". Só quando o encontro está marcado, para as 16.00 de dia 8 de junho no seu escritório na Trump Tower (um andar abaixo do escritório do pai), é que Donald Jr. reenvia toda a conversa para o cunhado, Jared Kushner, atual conselheiro do presidente norte-americano, e para o chefe da campanha, Paul Manafort.

Tanto Kushner como Manafort, cujos contactos com russos já estão a ser investigados, revelaram recentemente a existência deste encontro, sem especificar o que tinha sido falado. Quem faz parte da administração tem de revelar contactos com autoridades estrangeiras e, numa primeira ocasião, ambos tinham ocultado esta reunião. Segundo Donald Jr., a advogada acabou por não dizer nada sobre Clinton, querendo antes discutir a adoção de crianças russas por parte de norte-americanos e as sanções contra vários indivíduos russos.

Exclusivos