Trump defende Ivanka no G20. "Angela M concorda"

Presidente dos EUA escreveu sobre o facto de a filha ter ocupado o seu lugar durante a cimeira do G20

Donald Trump defendeu, esta segunda-feira, o facto de a filha Ivanka ter ocupado o seu lugar em algumas ocasiões durante a cimeira do G20, em Hamburgo, na Alemanha.

No Twitter, o Presidente dos EUA afirmou que o procedimento é habitual e que "Angela M concorda", numa referência à chanceler Angela Merkel.

Ivanka Trump, que é assessora na Casa Branca, sentou-se temporariamente na cadeira reservada ao pai, na mesa principal do G20, enquanto Donald Trump participava em reuniões com o "Japão e outros países", explicou Trump.

É habitual nestas cimeiras que um alto cargo ocupe provisoriamente o lugar de um Chefe de Estado ou de Governo, quando este não está presente, para não deixar vago o assento.

O Presidente dos EUA afirmou ainda, na mesma rede social, que se a mesma situação acontecesse com Chelsea Clinton, filha de Hillary Clinton, os produtores de "fake news" (notícias falsas) diriam "Chelsea para presidente!".

"Se fosse pedido a Chelsea Clinton para ocupar o lugar da mãe enquanto esta vendia o nosso país, as fake news diriam Chelsea para presidente", escreveu Donald Trump.

A chanceler alemã, Angela Merkel, disse, ao ser questionada sobre o incidente, que faz parte das competências de cada delegação decidir qual dos seus membros substitui o presidente da delegação em caso de ausência deste.

"É óbvio que Ivanka trabalha na Casa Branca", disse mesmo a anfitriã da cimeira.

Também esta segunda-feira, o Presidente norte-americano abordou a polémica com o ex-diretor do FBI, James Comey, escrevendo sobre o facto de este poder ter dado "informação secreta" aos meios de comunicação social

Exclusivos