Trump declara estado de emergência na Geórgia, Carolina do Norte e Carolina do Sul

Dorian abranda um pouco a fúria e regressa à categoria 4, mas continua a preocupar a costa Leste dos EUA. A declaração do estado de emergência por Trump facilita a disponibilização de fundos governamentais para desastres.

O presidente dos EUA, Donald Trump, declarou esta segunda-feira o estado de emergência para a Geórgia, Carolina do Norte e Carolina do Sul, na iminência da chegada do furacão Dorian, que segundo os últimos boletins baixou para a categoria 4.

Trump aprovou a declaração de emergência para o estado da Florida na sexta-feira, devido à proximidade do furação, que na ocasião atingia a categoria 5, a máxima na escala Saffir-Simpson.

A declaração do estado de emergência facilita a disponibilização de fundos governamentais para desastres.

Com esta medida, Trump autoriza o departamento de Segurança Nacional e a Agência Federal de Gestão de Emergências (FEMA) a coordenar todos os esforços se assistência para desastres com o objetivo de minorar as consequências da intempérie.

Na Carolina do Sul, na Geórgia e na Florida um milhão de pessoas receberam ordem para abandonarem as suas casas como forma de precaução.

De acordo com o último boletim do Centro Nacional de Furações (NHC), o Dorian baixou hoje para a categoria 4 da escala Saffir-Simpson, após uma redução dos seus ventos máximos para 155 milhas por hora (250 quilómetros por hora), enquanto permanece sobre o norte do arquipélago das Bahamas.

O boletim, emitido às 11.00 locais (16.00 em Lisboa) indica que o Doriam reduziu ligeiramente a intensidade dos seus ventos nas últimas horas, ao perder 10 milhas por hora (16 quilómetros por hora).

No domingo, a intensidade dos seus ventos alcançou os 295 quilómetros por hora, situando o furacão Dorian como o segundo mais poderoso desde que existem registos, a par do "Labor Day" (1935), Gilbert (1988) e Wilma (2005), e apenas superado pelo Allen, que em 1980 registou 305 quilómetros por hora.

O Dorian está a deslocar-se a uma velocidade de dois quilómetros por hora, e permanece sobre as Bahamas, onde continua a provocar avultados estragos. O boletim do NHC indicou que o furacão permanecia a cerca de 50 quilómetros da cidade de Freeport, a principal cidade deste arquipélago, e a 180 quilómetros a leste de West Palm Beach, no estado norte-americano da Florida.

Os peritos esperam que o Dorian continue a aproximar-se lentamente da costa da Florida, apesar de não a atingir diretamente devido a uma rotação gradual para nor-noroeste na terça-feira.

"O furacão deverá mover-se perigosamente para perto da costa leste da Florida até quarta-feira durante a noite e de seguida para perto das costas da Geórgia e Carolina do Sul na noite de quarta-feira e na quinta-feira", assinalam os peritos do NHC, com sede em Miami.

Apesar de se prever um enfraquecimento gradual, espera-se que o Dorian permanece um poderoso furacão durante os dois próximos dias, e quando se dirige em direção a norte.

Exclusivos

Premium

Espanha

Bolas de aço, berlindes, fisgas e ácido. Jovens lançaram o caos na Catalunha

Eram jovens, alguns quase adultos, outros mais adolescentes, deixaram a Catalunha em estado de sítio. Segundo a polícia, atuaram organizadamente e estavam bem treinados. José Manuel Anes, especialista português em segurança e criminalidade, acredita que pertenciam aos grupos anarquistas que têm como causa "a destruição e o caos" e não a luta independentista.