Trump ameaça republicanos que votem contra substituição do Obamacare

Porta-voz da Casa Branca, Sean Spicer, diz que "vaihaver um preço a pagar"

O Presidente norte-americano e os seus assessores preveniram hoje os congressistas republicanos que estão a pensar votar contra o projeto de lei de saúde sobre os riscos de o fazer, como serem castigados nas legislativas em 2018.

"Vai haver um preço a pagar (...) aos seus próprios votantes", avisou, durante o encontro diário com jornalistas, o assessor de imprensa da Casa Branca, Sean Spicer, os republicanos que não apoiam a proposta de lei para substituir a reforma do acesso aos cuidados de saúde do ex-Presidente, Barack Obama, conhecida como 'Obamacare'.

A proposta, apoiada por Trump e pela direção republicana da Câmara dos Representantes, vai ser votada na quinta-feira por esta câmara.

Spicer também se mostrou confiante que o projeto seja aprovado no próprio dia, exatamente quando se cumpre o sétimo aniversário da promulgação do Obamacare.

Hoje, Trump deslocou-se ao Capitólio para se reunir, à porta fechada, com os congressistas republicanos da câmara baixa.

Antes, os jornalistas perguntaram-lhe se o projeto tinha o número de votos necessário para ser aprovado, a que respondeu afirmativamente.

Durante a reunião, Trump interpelou diretamente a Mark Meadows, líder do grupo Freedom Caucus, cujos eleitos consideram insuficientes as mudanças propostas, enquanto por outro lado, os republicanos mais moderados também se opõem, mas por receio de as alterações provocarem a perda de cobertura a milhões de norte-americanos.

Dos 241 republicanos na Câmara dos Representantes são precisos 2216 votos favoráveis para o projeto ser aprovado na quinta-feira.

E hoje Meadows, depois da reunião com Trump, reiterou a sua oposição, tal como a dos 21 integrantes do Freedom Caucus.

A Agência do Congresso para o Orçamento (CBO, na sigla em inglês), uma estrutura não partidária, calculou que o plano republicano, sem mudanças, vai excluir 14 milhões em apenas um ano, número que sobe para 24 milhões em uma década.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG