Trump ameaça cortar exportações para países que se "aproveitam comercialmente dos EUA"

O presidente norte-americano afirmou cortar as exportações dos Estados Unidos aos países que aplicam direitos aduaneiros

Donald Trump ameaçou parar as exportações dos Estados Unidos, especialmente no setor agrícola, para países que mantêm a aplicação de direitos aduaneiros a produtos norte-americanos, como retaliação pelas medidas comerciais unilaterais dos EUA.

Na cimeira do G7, em Charlevoix, na província canadiana do Québeque, o Presidente dos Estados Unidos referiu que "é muito injusto" para os agricultores norte-americanos que outros países, como o Canadá e a Índia, imponham elevadas tarifas aos produtos dos EUA.

Intransigente na defesa dos interesses comerciais norte-americanos, Trump afirmou que acabaram os dias em que outros países se aproveitaram comercialmente dos Estados Unidos.

O Presidente norte-americano vincou que os Estados Unidos farão "o que for necessário" para que tenham relações comerciais "justas e recíprocas" com outros países.

"Sem tarifas, sem barreiras. É assim que deve ser. E sem subsídios. Eu até disse 'sem tarifas'", comentou o presidente americano à imprensa à saída da reunião.

"Os Estados Unidos foram explorados durante décadas e décadas", continuou, descrevendo a América como um "cofre do qual todos roubam".

Segundo o chefe de Estado a cimeira correu de forma tranquila e sem contendas.

Angela Merkel utilizou o Instagram para partilhar a sua perceção sobre o que tinha acontecido no encontro.

"Segundo dia da cimeira do G7 no Canadá: consulta espontânea à margem da agenda oficial", lê-se numa foto publicada pela chanceler alemã, onde se veem vários líderes reunidos à volta de Trump, naquilo que parece ser um momento tenso.

A imposição de taxas aduaneiras às importações dos Estados Unidos de aço e alumínio da União Europeia, Canadá e México está a esgotar a paciência dos restantes membros do grupo dos sete países mais industrializados do mundo e dominou a cimeira do G7.

Na quinta-feira, o Presidente da França, Emmanuel Macron, convocou uma reunião com os chefes de Governo da Alemanha, Itália e Reino Unido e com responsáveis da União Europeia - o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, e o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk - para analisar a questão.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG