Trump afasta possibilidade de retomar negociações com talibãs

Trump cancelou no sábado à noite uma reunião secreta em Camp David com líderes talibãs e com o Governo afegão, após um atentado, quinta-feira, reivindicado pelos talibãs em Cabul e que provocou 11 mortos, incluindo um soldado norte-americano.

O presidente dos EUA afastou na segunda-feira a possibilidade de retomar as negociações com os talibãs, depois de já ter cancelado uma reunião em Camp David na sequência de um atentado reividicado pelos rebeldes em Cabul.

"[As conversações] morreram. Na minha opinião, morreram", declarou Donald Trump, aos jornalistas.

Trump cancelou no sábado à noite uma reunião secreta em Camp David com líderes talibãs e com o Governo afegão, após um atentado, quinta-feira, reivindicado pelos talibãs em Cabul e que provocou 11 mortos, incluindo um soldado norte-americano.

As negociações foram interrompidas precisamente numa altura em que contactos entre Washington e os representantes dos insurgentes pareciam perspetivar um acordo histórico.

As declarações de Trump contrastam com as do chefe da diplomacia norte-americana, Mike Pompeo, que no domingo disse que os EUA não excluem a possibilidade de retomar as negociações caso os rebeldes "mudem de atitude".

Por seu lado, os talibãs já advertiram que a decisão do Presidente Donald Trump de cancelar as negociações de paz para o Afeganistão prejudicará sobretudo os Estados Unidos, manifestando a expectativa de que Washington regresse ao diálogo.

"Trump cancelou as negociações com o Emirado Islâmico (como se autodenominam os talibãs), isto prejudicará sobretudo os próprios Estados Unidos", considerou o movimento rebelde em comunicado após Trump ter anunciado a sua decisão na rede social Twitter.

Exclusivos

Premium

Legionela

Maioria das vítimas quer "alguma justiça" e indemnização do Estado

Cinco anos depois do surto de legionela que matou 12 pessoas e infetou mais de 400, em Vila Franca de Xira, a maioria das vítimas reclama por indemnização. "Queremos que se faça alguma justiça, porque nunca será completa", defende a associação das vítimas, no dia em que começa a fase de instrução do processo, no tribunal de Loures, que contempla apenas 73 casos.