Tribunal anula obrigação de falar em catalão nos serviços públicos

A decisão surgiu na sequência de uma queixa de um pediatra de um hospital de Tarragona

O Supremo Tribunal de Justiça da Catalunha considerou inconstitucional uma lei que obrigava a que o catalão fosse a língua oficial da administração e serviços pública da região.

Na sequência de uma queixa de um pediatra de um hospital de Tarragona, a mais alta instância judicial daquela autonomia decidiu que os funcionários públicos da região não são obrigados a falar em catalão entre eles ou com os utentes, nem têm a obrigação de iniciar conversas telefónicas oficiais neste idioma.

O Supremo também invalida um artigo que diz que os funcionários devem continuar falar catalão mesmo quando os utentes respondam em castelhano, a não ser que estes indiquem que querem ser atendidos noutro dos idiomas oficiais.

Exclusivos

Premium

Vida e Futuro

Formar médicos no privado? Nem a Católica passa no exame

Abertura de um novo curso de Medicina numa instituição superior privada volta a ser chumbada, mantendo o ensino restrito a sete universidades públicas que neste ano abriram 1441 vagas. O país está a formar médicos suficientes ou o número tem de aumentar? Ordem diz que não há falta de médicos, governo sustenta que "há necessidade de formação de um maior número" de profissionais.