Três suspeitos detidos por suspeita de ataque com ácido a criança no Reino Unido

Incidente teve lugar num centro comercial em Worcester no sábado

A polícia britânica anunciou esta segunda-feira (23 de julho) a detenção de mais três suspeitos de envolvimento no ataque com ácido a uma criança de três anos, que sofreu queimaduras graves no sábado.

A polícia de West Mercia divulgou que três homens, com idades entre os 22 e 26 anos, estão a ser interrogados em Londres por suspeita de conspiração para cometer sérios danos corporais.

Um suspeito de 39 anos já havia sido preso, e os quatro homens ainda não foram identificados ou acusados.

O ataque aconteceu num centro comercial, na tarde de sábado, na cidade de Worcester, no oeste da Inglaterra.

A polícia disse que a criança foi deliberadamente o alvo do ataque.

O rapaz de três anos, que sofreu queimaduras sobretudo no rosto e no braço, teve alta do hospital no domingo, mas as autoridades disseram que as implicações a longo prazo do ataque para a sua saúde não são ainda claras.

No domingo, o presidente da câmara municipal de Worcester, Marc Bayliss, descreveu o ataque como um ato de "pura maldade".

"Worcester não é o tipo de lugar [onde esse tipo de ataque ocorre], somos uma típica cidadezinha inglesa", acrescentou.

O Reino Unido tem enfrentado um aumento no número de ataques com ácido nos últimos anos, particularmente em Londres.

O Ministério do Interior anunciou em abril que pretende agravar a legislação, tornando a detenção de substâncias corrosivas em locais públicos uma ofensa criminal e proibindo a venda dessas substâncias a menores.

Exclusivos

Premium

Alentejo

Clínicos gerais mantêm a urgência de pediatria aberta. "É como ir ao mecânico ali à igreja"

No hospital de Santiago do Cacém só há um pediatra no quadro e em idade de reforma. As urgências são asseguradas por este, um tarefeiro, clínicos gerais e médicos sem especialidade. Quando não estão, os doentes têm de fazer cem quilómetros para se dirigirem a outra unidade de saúde. O Alentejo é a região do país com menos pediatras, 38, segundo dados do ministério da Saúde, que desde o início do ano já gastou mais de 800 mil euros em tarefeiros para a pediatria.