Theresa May quer pagar 20 mil milhões de euros para saldar saída da UE

A primeira-ministra britânica, Theresa May, vai propor pagar 20 mil milhões de euros para saldar a separação entre o Reino Unido e a União Europeia, segundo fontes conhecedoras do tema citadas pelo jornal Financial Times (FT).

Olly Robbins, conselheiro de May para a União Europeia (UE), informou os seus homólogos nas diversas capitais europeias desta oferta, revelou o jornal na terça-feira, na sua edição digital, citando fontes que se exprimiram sob anonimato.

Este anúncio vai ser feito formalmente por May, na sexta-feira, em Florença, Itália, no quadro do discurso que vai proferir sobre a UE, avançou o mesmo título.

O Reino Unido ainda não tinha dado a menor indicação quanto à soma que pretende pagar para saldar a sua saída da UE, prevista para 29 de março de 2019.

Se Bruxelas também ainda não avançou qualquer número específico, vários dirigentes europeus disseram à AFP que a fatura a pagar pelos britânicos deve situar-se entre 60 mil milhões e 100 mil milhões de euros.

A contribuição líquida de Londres para o orçamento da UE em 2015, último ano com valores disponíveis, foi de 10,75 mil milhões de euros, segundo documentos da Comissão Europeia e do Parlamento Europeu.

O montante de 20 mil milhões de euros seria portanto a soma devido pelos britânicos para saldar o seu compromisso com o orçamento da UE, orçamento votado para sete anos e que corre até 2020.

"Mas este pagamento não apaga o quadro" dos diversos compromissos financeiros dos britânicos para com a UE, segundo um diplomata europeu ouvido pelo FT.

Os conselheiros de May não comentaram a notícia do FT. Até agora, a posição de Londres tem sido a de esperar que Bruxelas avance com um montante, para depois responder.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.