The New York Times publica provas de que Rússia bombardeou hospitais da Síria

O The New York Times diz apresentar provas de que a Rússia bombardeou repetidamente e deliberadamente hospitais na Síria, onde intervém em apoio do regime sírio do Presidente Bashar al-Assad.

O The New York Times publicou este domingo o que diz serem provas de que a Rússia bombardeou hospitais na Síria. A investigação do jornal norte-americano é centrada em quatro ataques que ocorreram dias 5 e 6 de maio último.

Na altura, o Governo sírio e as forças russas aliadas intensificaram os bombardeamentos no noroeste da Síria, nomeadamente na província de Idlib e em outras áreas circundantes, para tentar conquistar as últimas zonas ainda controladas por forças insurgentes e 'jihadistas'.

O artigo do The New York Times cita, entre outras provas, transcrições de comunicações de rádio da força aérea russa, registos de equipas de monitorização do espaço aéreo, vídeos das estruturas atacadas e o relato de várias testemunhas locais.

Segundo o jornal, os registos de voo colocam os pilotos russos no local onde ficam os hospitais bombardeados nesses dois dias, mas também no momento exato dos ataques.

Acrescenta que nas gravações de áudio, a que teve acesso, é possível ouvir os militares russos a confirmarem as coordenadas de cada alvo e os respetivos disparos.

Ativistas e opositores sírios têm acusado em diversas ocasiões a Rússia de atingir hospitais e outros alvos civis em território sírio, algo que Moscovo sempre negou.

Segundo uma organização não-governamental (ONG) que documenta ataques contra médicos na Síria, desde 2011, ano em que começou o conflito civil sírio, ocorreram pelo menos 583 ataques contra instalações hospitalares, dos quais 266 foram registados desde que a Rússia começou a intervir militarmente, em setembro de 2015.

Em agosto, as Nações Unidas anunciaram a abertura de um inquérito aos ataques registados contra unidades hospitalares na Síria.

Desencadeado em março de 2011 pela violenta repressão do regime de Bashar al-Assad de manifestações pacíficas, o conflito na Síria ganhou ao longo dos anos uma enorme complexidade, com o envolvimento de países estrangeiros e de grupos 'jihadistas', e várias frentes de combate.

Num território bastante fragmentado, o conflito civil na Síria provocou, desde 2011, mais de 370 mil mortos, incluindo mais de 100 mil civis, e milhões de deslocados e refugiados.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.