Tensão em Paris. Polícia usa gás lacrimogéneo para dispersar coletes amarelos

Autoridades recorreram ao gás lacrimogéneo para dispersar manifestantes que tentavam ocupar a avenida dos Campos Elísios, após o fim do tradicional desfile militar do Dia da Tomada da Bastilha.

Manifestantes e a polícia envolveram-se este domingo em confrontos na avenida dos Campos Elísios, após o fim do tradicional desfile militar de 14 de Julho, Dia da Tomada da Bastilha. As forças de segurança recorreram ao gás lacrimogéneo para dispersar os grupos do movimento dos coletes amarelos, que acabaram por ser retirados à força do local, conforme informou a polícia nas redes sociais.

De acordo com o jorna l L'Express, vários grupos de pessoas desceram a famosa avenida parisiense, retiraram as barreiras que limitavam a movimentação do público durante o desfile militar e queimaram caixotes de lixo. Durante o protesto, foram ouvidos cânticos contra o capitalismo. O jornalista freelancer Clément Lanot registou alguns dos momentos de tensão e partilhou-os no Twitter.

A estação de televisão BFMTV também mostrou imagens dos confrontos entre as forças da autoridade e os manifestantes que tentavam bloquear os Campos Elísios:

Português entre os 152 detidos

Antes dos desacatos, a polícia deteve 152 pessoas à margem da parada militar por "organização de manifestações não autorizadas", "degradação de bens públicos" ou "porte de arma proibida". Entre os detidos está o lusodescendente Jérôme Rodrigues, uma das figuras principais do movimento dos coletes amarelos.

Os protestos começaram quando o presidente francês, Emmanuel Macron, foi vaiado por coletes amarelos quando estava a passar em revista as tropas na avenida dos Campos Elísios durante as celebrações do Dia da Tomada da Bastilha.

Todos largaram os tradicionais coletes, provavelmente por uma questão de discrição num quarteirão patrulhado pela polícia, mas alguns agitaram balões amarelos e gritaram algumas palavras contra o presidente.

"Quem tentou impedir o desfile devia ter vergonha. Hoje é um dia em que a nação de une e julgo que o país deve ser respeitado", afirmou o ministro do interior francês Christophe Castaner, aos jornalistas.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, foi um dos convidados de honra de Macron neste dia 14 de Julho, assim como a chanceler Angela Merkel, o primeiro-ministro holandês Mark Rutte e o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker.

O desfile contou com 67 aviões da Força Aérea francesa, 4300 tropas a pé, 196 veículos militares, 237 tropas a cavalo e 40 helicópteros. Tal como todos os anos, desde 1980, o desfile começou no Arco do Triunfo e terminou na Praça da Concórdia.

Com Lusa.

Exclusivos