Tensão cresce entre EUA e Rússia antes de ataque a Assad

Guerra na Síria. Está ativada uma linha de contacto entre o comando militar americano e o russo. Moscovo garante resposta a retaliação.

A dúvida não é se vai haver uma resposta contra o regime de Bashar al-Assad - isso está decidido. A dúvida é quando vai suceder e que forma irá tomar. O tempo das decisões "está para breve", garantiu ontem o presidente Donald Trump.

O presidente esteve reunido com os seus conselheiros, tendo o secretário da Defesa, Jim Mattis, explicado numa audição na Câmara dos Representantes que seriam "apresentadas várias opções" para o curso de ação a seguir. Ao início do dia, Trump escrevera no Twitter "nunca" ter dito "quando teria lugar o ataque" que "pode ser em breve ou nada em breve". Mas era evidente que os preparativos prosseguiam quer do lado americano quer do lado britânico e francês, países que se mostraram prontos a acompanhar uma operação dos EUA contra o regime de Assad.

Em Londres, Theresa May reuniu o governo para decidir "a questão do quando" sucederá o ataque, noticiava a BBC ao final da tarde. Além dos meios aéreos que a Grã-Bretanha tem na região, foi ordenada a deslocação de submarinos para o Mediterrâneo oriental. No mesmo sentido, em Paris, Emmanuel Macron garantiu estarem em estudo planos para o ataque, que "sucederá quando for útil e efetivo". O presidente francês disse ter provas de ter sido o regime de Assad responsável pelo ataque com armas químicas no passado dia 7 em Douma, que causou 70 mortos. Ao final da tarde, a cadeia americana MSNBC noticiava que os EUA tinham obtido amostras do sangue e urina de vítimas do ataque em Douma e que as análises confirmaram a presença de um agente nervoso e de cloro.

Douma está agora sob controlo de unidades russas e de soldados do regime, tendo a Organização para a Proibição de Armas Químicas anunciado que um grupo de inspetores começará amanhã as suas investigações na cidade. Aquelas forças estão em Douma "para garantirem a lei e a ordem", referia a agência RIA, citando um porta-voz do Ministério da Defesa russo.

Sobre a questão das armas químicas, a Suécia propôs na ONU que o secretário-geral da organização, António Guterres, envie uma missão de alto nível à Síria para "resolver de uma vez por todos os problemas em aberto" na matéria. Quarta-feira, os EUA e a Rússia, cada um bloqueou iniciativas do outro para a realização de investigações internacionais ao ataque químico em Douma.

Navios russos deixam portos

Sinal de estar iminente uma operação militar contra alvos na Síria foi dado pela saída dos navios de guerra russos que se encontravam na base de Tartus. A notícia foi dada pelo presidente da comissão da Defesa do Parlamento russo, Vladimir Shamanov, referindo ser este o procedimento normal quando se está perante a ameaça de um ataque. Os navios iriam realizar manobras ao largo da costa síria, um desenvolvimento que pode ser encarado como uma tentativa de dissuasão à aproximação de meios navais ocidentais.

Além dos submarinos britânicos, sabe-se que dois destroyers americanos estarão a caminho ou já se encontram no Mediterrâneo oriental. Analistas apresentavam como mais provável o recurso a meios navais como instrumento do ataque. O recurso a aviões não estaria a ser contemplado, considerando-se que estes seriam mais vulneráveis às defesas antiaéreas russa e síria.

Moscovo tem colocado na Síria baterias de mísseis S-300 e S-400, sistemas considerados bastante eficazes contra aeronaves e mísseis; tem ainda sistemas Pantsir-S1 e Bastion, o primeiro vocacionado para a destruição de mísseis, o segundo para alvos navais.

Sinal do clima de tensão na região entre os EUA e a Rússia, o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, admitiu ontem "estar ativa" uma linha de comunicação entre o centro de comando americano, baseado no Qatar, e a base aérea de Khmeimim, na Síria, onde a Rússia tem localizado o comando das suas forças. A linha foi criada em 2016 para evitar conflitos entre os meios americanos e russos no terreno.

Um cenário que o embaixador russo na ONU, Vassily Nebenzia, não excluía, afirmando que há "o perigo de uma escalada" e que uma "prioridade imediata deve ser a de evitar uma guerra". O diplomata russo deixava no ar a hipótese do seu país ripostar ao ataque ocidental. O que o representante diplomático de Moscovo no Líbano, Alexander Zasypkin, explicitou de forma inequívoca. Citado pela Reuters, Zasypkin garantiu que serão alvejados quaisquer mísseis assim como as plataformas de onde sejam lançados.

Ainda da Rússia veio uma notícia que parece, contudo, apontar no sentido oposto às declarações dos dois embaixadores. O jornal Kommersant, citado pela ABC, escrevia ontem que Moscovo estava a pressionar os EUA para estes comunicarem as coordenadas de alvos potenciais para que meios de combate e unidades russas não estivessem nas áreas em questão. O que poderia sugerir que a Rússia não impediria ou, pelo menos, não interferiria de modo ativo no momento do ataque.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?