Atropelamento de soldados foi um "ataque deliberado", diz ministro do Interior

Ministro do Interior francês disse que é a sexta vez que soldados da operação Sentinela são alvo de ataques

O ministro do Interior francês, Gerard Collomb, disse que os soldados atropelados hoje nos arredores de Paris foram alvo de um ataque deliberado e defendeu uma nova lei contra o terrorismo.

Seis soldados ficaram feridos no atropelamento da patrulha antiterrorista ocorrido às 08:30 (07:30 em Lisboa) perto do edifício da Câmara Municipal de Levallois Perret, na periferia de Paris, estando as autoridades à procura do condutor do veículo.

Collomb disse aos jornalistas que o ataque constitui a sexta vez que soldados da operação Sentinela são tidos como alvo.

Adiantou que tal mostra a importância de uma nova lei contra o terrorismo que consagre permanentemente alguns aspetos do estado de emergência que está em vigor em França desde 2015.

Collomb e a ministra da Defesa, Florence Parly, visitaram os soldados feridos, que se encontram no hospital militar Begin, perto de Paris.

Parly referiu ter recebido informações "animadoras" sobre três soldados que inicialmente acreditaram estar gravemente feridos, mas não deu mais pormenores.

Segundo os dois ministros, os seis soldados sofreram ferimentos na cara, joelhos, mãos e braços.

As patrulhas antiterroristas foram mobilizadas em França após os atentados de Paris em novembro de 2015.

O atropelamento ocorre quatro dias depois de um jovem de 18 anos ter tentado entrar na Torre Eiffel, em Paris, munido de uma faca enquanto gritava "Alá é Grande".

O agressor, que foi neutralizado pelas forças de segurança estava a gozar uma licença autorizada pelo hospital psiquiátrico onde se encontrava internado e para onde foi conduzido logo após o incidente.

Apesar da situação clínica, o jovem está a ser investigado porque afirmou estar em contacto com os extremistas do grupo Estado Islâmico.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG