Três milhões de britânicos já assinaram petição para revogar o Brexit

Mais de três milhões de pessoas assinaram, desde esta quarta-feira à noite, a petição para impedir a saída do Reino Unido da União Europeia. Procura é tanta, que site chegou a estar offline.

A petição que apela à revogação do Artigo 50º, que prevê a saída do Reino Unido da União Europeia (UE), já tem mais de três milhões de assinaturas.

A procura pelo site de petições do Parlamento britânico foi tão elevada que, na quinta-feira, chegou a ficar offline, segundo o jornal The Guardian.

"O governo alega repetidamente que sair da União Europeia é a 'vontade do povo'. Precisamos acabar com esta alegação ao mostrar a força do apoio público agora para ficar na União Europeia. Um voto do povo [segundo referendo pode não acontecer - por isso votem agora", diz o texto da petição, criado por Margaret Anne Georgiadou.

A autora disse à BBC que criou a petição porque se sentia "frustrada" por enquanto crítica do Brexit ter sido "silenciada e ignorada" durante tanto tempo. "Por isso acho que agora é como a rutura de uma barragem", já que os britânicos sentem que é a última oportunidade.

O artigo 50 do Tratado de Lisboa, em vigor desde 1 de dezembro de 2009, prevê a possibilidade de qualquer Estado sair de forma voluntária e unilateral da União Europeia.

Em dezembro, o Tribunal Europeu de Justiça decidiu que o Reino Unido pode unilateralmente revogar o artigo 50, sem o consentimento dos restantes 27, ao contrário do que acontece com o pedido de extensão do prazo que exige o consenso de todos. A primeira-ministra Theresa May pediu uma extensão de três meses do prazo.

Site em baixo

"Em manutenção", informava uma mensagem colocada no site desde as desde as 9:00 de quinta-feira. Ao utilizador era pedido: "tente novamente mais tarde". Pelas 12.00 do mesmo dia, o site já parecia estar operacional, mas as falhas ainda eram constantes.

"O site de petições está a passar por dificuldades técnicas, estamos a trabalhar para as corrigir urgentemente. [Estas dificuldades] foram causadas por uma sobrecarga do sistema", tinha dito ao The Guardian um porta-voz da Câmara dos Comuns.

"Altamente improvável"

Segundo o site, o Parlamento britânico tem que considerar a debate todas as petições que conseguem mais de 100 mil assinaturas. Já o governo responde a todas as petições que conseguem mais de dez mil assinaturas.

O chefe da diplomacia britânica, Jeremy Hunt, disse à rádio BBC 4, que revogar o Artigo 50º é possível mas "altamente improvável".

Em Bruxelas, Jeremy Corbyn, líder do Labour, foi questionado, de forma insistente, pelos jornalistas, sobre este tema. E recusou descartar a hipótese de revogação do Artigo 50º, noticiou o jornal britânico The Independent. O dirigente trabalhista declarou apenas: "Isso são apenas hipóteses. Neste momento estamos preocupados em construir uma maioria para ter uma solução de acordo e é nisso que estamos a trabalhar agora (...) Achamos que o que nós propomos pode ser aprovado no Parlamento britânico, acreditamos que somos capazes de construir uma maioria que consiga prevenir uma saída desordenada e todo o caos que daí surja".

A petição estava a recolher mais assinaturas em zonas onde existe uma forte campanha anti-Brexit, segundo Tom Forth, membro do Instituto Leeds. A petição é apoiada por figuras públicas como Hugh Grant, Jennifer Saunders e Brian Cox, com vários deputados do Parlamento britânico a pedirem também aos seus eleitores que a assinassem.

Esta não é a primeira vez que uma petição contra o Brexit reúne muitas assinaturas. Antes do referendo, em 2016, mais de quatro milhões de pessoas pediram ao Governo que fizesse uma segunda consulta à população caso menos de 60% dos eleitores votasse a favor da saída do Reino Unido da UE.

(Números atualizados às 13.20 de sexta-feira)

Exclusivos

Premium

Alentejo

Clínicos gerais mantêm a urgência de pediatria aberta. "É como ir ao mecânico ali à igreja"

No hospital de Santiago do Cacém só há um pediatra no quadro e em idade de reforma. As urgências são asseguradas por este, um tarefeiro, clínicos gerais e médicos sem especialidade. Quando não estão, os doentes têm de fazer cem quilómetros para se dirigirem a outra unidade de saúde. O Alentejo é a região do país com menos pediatras, 38, segundo dados do ministério da Saúde, que desde o início do ano já gastou mais de 800 mil euros em tarefeiros para a pediatria.