Síria: Aumenta para 54 o número de mortos em ataques no sul do país

O conflito entre forças do Governo Sírio e o autoproclamado Estado Islâmico hoje já provocou 54 mortos

Pelo menos 54 pessoas, entre combatentes pró-regime e civis, foram mortas hoje em vários ataques à cidade de Soueida, no sul da Síria, e em confrontos entre forças do Governo e o grupo extremista Estado Islâmico (EI).

Segundo um novo balanço do Observatório Sírio de Direitos Humanos (OSDH), entre as vítimas há 22 civis, incluindo seis mulheres, e 32 combatentes leais ao Presidente sírio, Bashar al-Assad, alguns dos quais foram executados pelos 'jihadistas'.

Além disso, há dezenas de feridos e o Observatório apontou que o EI poderá ainda ter raptado moradores de populações próximas às áreas desérticas sob o seu controlo na província de Soueida, para onde teriam levado os sequestrados.

A fonte acrescentou que pelo menos 21 militantes do grupo do Exército Khaled bin Walid, ligados ao EI, morreram, incluindo os quatro bombistas suicidas que se explodiram hoje em vários pontos da cidade de Soueida, capital da província de mesmo nome.

Os quatro suicidas usavam cintos com explosivos e fizeram-se explodir perto da área de um mercado e em outros pontos da cidade ao amanhecer, explicou a organização não-governamental.

Confrontos violentos ainda continuam entre as forças de Damasco e os 'jihadistas' ao norte de Soueida, onde as tropas sírias e os seus aliados conseguiram avançar contra seus inimigos, que nas últimas horas haviam entrado em povoações como Al-Matuna, Duma, Al-Shibki, Al-Shuraihi e Taima.

A agência oficial de notícias síria Sana não detalhou o número de mortos ou de feridos, mas garantiu que as unidades do exército repeliram os ataques lançados pelos terroristas do EI nesses locais.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG