Serão precisos cinco anos para restaurar monumentos em Palmira

"Precisamos obviamente do acordo da UNESCO e poderemos começar as obras num ano", disse o responsável de Antiguidades e Museus da Síria

O diretor de Antiguidades e Museus da Síria afirmou hoje que serão necessários cinco anos para reabilitar os monumentos destruídos ou danificados na cidade antiga de Palmira, ocupada durante 10 meses pelo grupo radical Estado Islâmico (EI).

"Se tivermos a aprovação da UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura), precisaremos de cinco anos para restaurar os edifícios destruídos e danificados pelo EI", declarou Maamun Abdelkarim à agência France Presse, um dia depois da cidade de Palmira ter sido recuperada pelas forças pró-regime.

"Temos o pessoal qualificado, temos o conhecimento e a investigação, precisamos obviamente do acordo da UNESCO e poderemos começar as obras num ano", adiantou. Segundo Talal al-Barazi, governador da província de Homs, onde se localiza Palmira, o exército sírio completou hoje a desminagem e desativação dos explosivos colocados pelo grupo fundamentalista na zona monumental da cidade.

"A zona arqueológica já está limpa de minas e bombas deixadas pelos terroristas", declarou à agência noticiosa espanhola EFE num contacto telefónico.

Além da cidadela do século XIII, que foi danificada nos combates pela recuperação da cidade, os 'jihadistas' destruíram os templos de Bel e Baalshamin, o Arco do Triunfo e várias torres funerárias e o Leão de al-Lât.

A antiga cidade de Palmira com mais de 2000 anos, apelidada de "pérola do deserto", foi classificada como Património Mundial pela UNESCO em 1980. Talal al-Barazi adiantou que os engenheiros das forças armadas continuam a desativação de explosivos no interior da cidade, estimando que o trabalho em Palmira estará concluído "dentro de um par de dias".

Uma vez garantida a segurança, começarão os trabalhos de reparação de serviços básicos como a água e a eletricidade, que deverão estar a funcionar dentro de uma semana, disse ainda o governador de Homs.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.