Secretário-geral da ONU apela a condições para Iémen receber ajuda humanitária

Muitas regiões do Iémen estão à beira da fome

O secretário-geral das Nações Unidas, o português António Guterres, apelou hoje, durante uma visita ao Kuwait, que as partes envolvidas no conflito do Iémen facilitem a chegada da ajuda humanitária àquele país.

"Fazemos o possível para criar condições que permitam ultrapassar o atual impasse", afirmou Guterres após conversas com responsáveis do Kuwait, em conferência de imprensa.

Desde 2014 que os rebeldes xiitas Houthis, aliados ao antigo presidente Ali Abdallah Saleh, e as forças pró-governo, apoiados por uma coligação árabe liderada pela Arábia Saudita, lutam pelo controlo do Iémen.

O português informou que a ONU tentou a reabertura do aeroporto de Saná, capital do país nas mãos dos rebeldes, e um melhor acesso ao porto de Hodeida (no oeste do país) para facilitar a chegada de ajuda humanitária.

A coligação impôs um embargo ao aeroporto, sob o argumento de que o local serve para importar armas para os rebeldes e obrigou, pela mesma justificação, à inspeção da carga que chegue ao porto, que é igualmente controlado pelos rebeldes.

"Nós trabalhamos de forma próximas com as partes para ver quando e como uma forte iniciativa será possível", declarou o líder das Nações Unidas.

Desde março de 2015, altura da intervenção da coligação árabe, o conflito provocou 8.400 mortos e 48 mil feridos, incluindo muitos civis, e resultou numa grave crise humanitária.

Uma epidemia de cólera provou dois mil mortos no país e inúmeras regiões deste país pobre estão à beira da fome.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.