São Tomé e Príncipe: E depois dos Jogos da CPLP?

A seguir aos Jogos da CPLP, que terminam no dia 28, certamente que as baterias dos partidos políticos são-tomenses voltar-se-ão para a preparação das eleições legislativas, autárquicas e regionais marcadas para 7 de outubro.

Quando, em julho de 2012, reportei para a rádio Deutsche Welle os VIII Jogos Juvenis da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), realizados na vila portuguesa de Mafra, e percebi então a logística que envolvia a organização do evento, a dado momento pus-me a pensar se, à sua vez, São Tomé e Príncipe estaria preparado para acolher tamanha responsabilidade.

Reticente, troquei impressões com alguns atletas da comitiva são-tomense que, mau grado os resultados não tão abonatórios, acreditavam que o país natal lá bem perto da imaginária linha do Equador saberia honrar o compromisso, apesar das suas limitações financeiras e técnicas.

Passados seis anos, a evidência dos factos veio a comprovar que os homens não se medem aos palmos. A república democrática não poupou esforços e uniu-se em torno dos objetivos. O seu ministro da Juventude e Desporto, Marcelino Sanches, deu a cara, mobilizou apoios externos, nomeadamente de Portugal, e instou os são-tomenses a arregaçar as mangas para fazer brilhar os Jogos da Comunidade, instituídos em 1990.

Passada a turbulência causada pela crise na justiça e de uma alegada - diz-se inventada - tentativa de golpe de Estado visando o primeiro-ministro, Patrice Trovoada, São Tomé e Príncipe ergueu o orgulho e, na sua pequenez, provou que o país pode organizar eventos desta dimensão e ir mais longe.

Não faltaram críticas. A organização padeceu de algumas lacunas, como referem alguns observadores, que apontam como uma das deficiências as insuficientes condições das infraestruturas desportivas. Assim como não faltaram críticas ao chefe do governo, que não esteve presente na abertura desta 11.ª edição, priorizando a sua deslocação à Rússia para assistir ao final do Campeonato do Mundo de futebol.

No entanto, foi com euforia e em ambiente de festa que os são-tomenses acolheram as delegações visitantes representadas nas diversas modalidades, à exceção da ausente Guiné Equatorial. É também assinalável o facto de o país ter conquistado algumas medalhas no atletismo, no salto em comprimento, no voleibol e no basquetebol. No futebol, o desastroso resultado frente a Angola, fruto da má prestação da equipa nacional, indica que há ainda muito trabalho de casa a fazer neste domínio.

Uma coisa é certa. O facto de São Tomé e Príncipe ter conseguido acolher os jogos, entre 21 e 28 deste mês, é por si só um fator positivo. Importa sim, depois destes oito dias, avaliar as eventuais falhas e os erros, tirando deles lições que podem ajudar a melhorar no futuro. "Roma e Pavia não se fizeram num dia", diz o ditado português.

Entretanto, com estes Jogos da CPLP, a vida política ficou relegada para o segundo plano. No dia seguinte aos Jogos, e aparentemente ultrapassada a crise no setor da justiça, certamente que as baterias dos partidos políticos - incluindo o recém-criado Partido Verde - voltar-se-ão para a preparação das eleições legislativas, autárquicas e regionais marcadas para 7 de outubro deste ano.

Admite-se que, se a oposição ganhar o pleito, o mais provável é que venha a reverter todas as decisões da atual maioria em matéria de justiça, visando sobretudo as estruturas do Tribunal Constitucional. Outra coisa certa é que o MLSTP/PSD, principal partido da oposição, tenta reorganizar-se, mas atravessa uma fase crítica, enfrenta dificuldades financeiras e, por isso, está debilitado para levar a cabo uma ofensiva política demolidora para voltar a ser poder.

A investigação do caso Gaudêncio Costa (do MLSTP), um dos indiciados por envolvimento na tal tentativa de "subversão da ordem constitucional através do assassinato do primeiro-ministro", continua em banho-maria. E, de acordo com os analistas, será gerida durante a pré-campanha e a campanha eleitoral como parte de uma estratégia de vitimização que Patrice Trovoada usará em seu benefício para convencer os são-tomenses e reconquistar os seus votos nas próximas eleições.

Não havendo sondagens, é prematuro prever se esta "montagem política" poderá contribuir ou não para uma nova vitória ou para a derrota da ADI (Acção Democrática Independente), partido que suporta a governação dirigida por Patrice Trovoada. De acordo com uma fonte em São Tomé, outro dado importante é que os seguidores de Patrice "não parecem estar muito motivados a defender acriticamente o chefe", que é filho do ex-presidente Miguel Trovoada.

"Se dependesse apenas da classe média e superior, a ADI perderia estrondosamente as eleições", avalia a mesma fonte. Conclusivamente, o juízo e o veredicto final estão nas mãos dos são-tomenses. Principalmente da sua maturidade como eleitores.

Correspondente em Portugal da Rádio DW-África

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG