São precisos 100 milhões de euros para salvar a catedral Notre Dame

A associação "Os amigos de Notre Dame" disponibilizou uma angariação de fundos para restaurar as gárgulas e os arcos góticos em ruínas na catedral

O arcebispo de Paris, André Vingt-Trois, criou uma associação denominada "Os amigos de Notre Dame" com vista a fazer uma angariação de fundos para restaurar as gárgulas e os arcos góticos em ruínas na catedral. Para avançar com os trabalhos de restauro é necessário angariar 100 milhões de euros.

Todos os anos, 12 a 14 milhões de pessoas visitam a catedral parisiense de estilo gótico, que se situa na Île de la Cité, rodeada pelas aguas do rio Sena. Notre Dame foi construída há cerca de 850 anos, mas, o passar do tempo, a poluição e a falta de obras de restauro têm vindo a destruir a pedra que compõem o monumento.

A entrada na catedral é gratuita e o Estado francês, detentor da propriedade, disponibiliza dois milhões de euros anuais para obras de restauro. O valor disponibilizado é insuficiente para embarcar em grandes obras, sendo que as últimas foram realizadas no ano de 1800.

"Se não fizermos estas obras de restauro, arriscamos que partes da estrutura exterior comecem a cair. Esse é um risco muito grave", disse Michel Picaud, presidente da referida organização "Os amigos de Notre Dame", em declarações ao The Guardian.

Os funcionários de Notre Dame criaram um "cemitério de pedra", com as partes que têm vindo a cair do monumento, ainda assim, estes consideram que a catedral continua a ser segura de visitar.

A catedral de Notre Dame é uma atração turística, sendo célebre devido ao romance gótico de 1833 do escritor Victor Hugo, "O corcunda de Notre Dame", adaptado ao cinema pela Disney, em 1996.

"Gárgulas são o que as pessoas querem ver quando chegam a Paris. Se não existirem mais gárgulas, o que é que eles irão ver? afirmou André Finot, chefe de comunicação de Notre Dame.

As autoridades locais esperam que a fama mundial da catedral atraía os doadores, particularmente dos EUA.