Santos Silva: "Mais ninguém foi executado na Guiné Equatorial desde a sua adesão à CPLP"

Portugal tem expectativas positivas em relação aos resultados que deverão sair da X Cimeira da CPLP, que acontece terça e quarta-feira na cidade turística de Santa Maria, na ilha do Sal, em Cabo Verde

Um otimismo explicado pelo ministro dos Negócios Estrangeiros da CPLP pelo elevado nível de representação político-
-diplomática que há muito não se via em encontros do género.

O facto de Cabo Verde assumir a presidência rotativa da CPLP com um programa virado para as pessoas, a cultura e os oceanos, é outro dado que, na opinião de Augusto Santos Silva, deixa antever resultados concretos na linha do que tem marcado o funcionamento da CPLP desde a sua criação, em 1997.

Apesar de a Guiné Equatorial não ter abolido ainda a pena de morte da sua Constituição, o chefe da diplomacia português destaca como resultado concreto da CPLP o facto de o país não ter executado mais nenhum cidadão nacional desde que assinou o roteiro para a plena adesão à comunidade de países de língua portuguesa.

"Portugal, como outros países da CPLP, tem oferecido a sua colaboração para o apoio técnico-jurídico que a Guiné Equatorial entenda pedir e precisar para que se conclua o processo da abolição da pena de morte", declarou Santos Silva aos jornalistas.

"Desde que foi admitida na CPLP, em 2014, a Guiné Equatorial tem cumprido sempre a moratória que ela própria estabeleceu e mais ninguém foi executado na Guiné Equatorial desde a sua adesão à CPLP. E vejo isso como mais um resultado concreto da CPLP. Nós continuamos a dizer que é muito importante que a abolição [da pena de morte] se faça", sublinhou o governante.

Sobre a mobilidade no espaço da CPLP, o governante português afirma que Portugal e Cabo Verde têm vindo a trabalhar, desde inícios de 2017, uma proposta que deverá ser apreciada pelos chefes de Estado no decorrer da cimeira.

Na Ilha do Sal,
Cabo Verde

Exclusivos

Premium

Legionela

Maioria das vítimas quer "alguma justiça" e indemnização do Estado

Cinco anos depois do surto de legionela que matou 12 pessoas e infetou mais de 400, em Vila Franca de Xira, a maioria das vítimas reclama por indemnização. "Queremos que se faça alguma justiça, porque nunca será completa", defende a associação das vítimas, no dia em que começa a fase de instrução do processo, no tribunal de Loures, que contempla apenas 73 casos.