Carta aos militantes: Sánchez apelida de "imprescindível" o acordo com Iglesias

Líder socialista enviou uma carta aos militantes que no próximo sábado se têm que pronunciar sobre o acordo de governo alcançado com a Unidas Podemos.

O líder dos socialistas espanhóis, Pedro Sánchez, lançou este sábado um apelo aos militantes para que aprovem o acordo de governo de coligação negociado com a aliança Unidas Podemos, alegando que este é "imprescindível" tendo em conta o resultado eleitoral. Os militantes vão ratificar o acordo no próximo sábado, 23 de novembro.

O governo de coligação entre o PSOE e a aliança liderada por Pablo Iglesias é um "que pode dar as melhores respostas aos problemas nacionais. Mas é, além disso, o único capaz de romper o ciclo interminável de eleições e bloqueios sucessivos que arrastamos há quatro anos", defendeu Sánchez, numa carta enviada aos militantes e publicada nas redes sociais.

Segundo Sánchez, tanto PSOE como Unidas Podemos têm as garantias que necessitavam. "Para a Unidas Podemos era crucial participar no Conselho de Ministros. Para o PSOE era condição indispensável garantir um único governo coeso, baseado na lealdade e na solidariedade governamental", escreveu, dizendo que o pré-acordo abre o caminho ao primeiro governo de coligação da história da democracia espanhola.

O líder socialista reitera que irá apelar à responsabilidade das outras forças parlamentares, "especialmente aquelas que partilham os valores de progresso, para que contribuam a procurar soluções onde outros se empenham em pôs obstáculos".

"Somos a esperança progressista para milhões de pessoas que contrmplam com preocupação o auge da extrema-direita, fortalecida por umas direitas que se acobardam diante das suas mensagens do ódio e que se abraços a ela em governos autonómicos e municipais cada vez mais retrógrados", escreveu Sánchez na carta aos militantes.

"Não vamos aceitar que o discurso de ódio e a intolerância avance. Tão pouco que se frustre a vontade maioritária de contar com um governo progressista. Menos ainda que se perpetue o bloqueio político que impede que o nosso país tenha governo. Espanha não pode viver na interinidade política por mais tempo", acrescentou.

Sánchez pede aos militantes socialistas que aprovem o acordo. "Peço muito mais do que o teu voto. Peço também o teu compromisso e a tua colaboração paratrazer, difundir e defender a ação desse governo de coligação progressista frente a todos os obstáculos que surjam no caminho", indicou.

A carta de Iglesias

O líder do Podemos já tinha enviado uma carta aos seus militantes para "agradecer" o trabalho de todos. "Este acordo foi possível graças a vocês, ao esforço quotidiano de milhares de pessoas anónimas que nunca baixaram os braços e continuaram a empurrar, frente à enorme resistência daqueles que trabalham para que nada mude, com o objetivo de conseguir um governo que defende as pessoas", escreveu.

"Agora virão novos e grandes desafios. Temos por diante a tarefa história e ilusionante de participar num governo que equilibre a balança a favor da maioria. E, ao mesmo tempo, temos também por diante a tarefa de fortalecer a nossa organização", acrescentou, segundo a cópia citada pelo El País.

"Os partidos da direita e os braços mediáticos do poder económico vão golpear-nos muito duro a cada passo que demos, por pequeno que seja. Vamos governar em minoria, dentro de um Executivo partilhado com o PSOE, em que encontraremos muitos limites e contradições, e no qual teremos que ceder em muitas coisas", indicou.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.