Salah Abdeslam vai ficar detido "sob máxima segurança"

Suspeito dos atentados de Paris foi extraditado para França

O principal suspeito dos atentados de Paris de 13 de novembro passado, Salah Abdeslam, vai ser detido "sob máxima segurança", afirmou hoje o ministro da Justiça francês, Jean-Jacques Urvoas.

O alegado terrorista e único sobrevivente do comando 'jihadista' que perpetrou os ataques vai ficar numa prisão da região de Paris, isolado dos restantes detidos e sob vigilância de uma equipa especial, experiente na detenção de reclusos perigosos, disse Urvoas, poucas horas depois de Abdeslam ter sido entregue pelas autoridades belgas.

De acordo com vários 'media', o alegado terrorista foi levado de helicóptero da prisão belga de Beveren para o aeroporto de Villacoublay, nos arredores de Paris, sob escolta do corpo de elite da guarda francesa (GICN).

Do aeroporto, Abdeslam seguiu para o palácio da Justiça de Paris, onde nas próximas horas vai estar perante um dos juízes de instrução do caso relativo aos atentados de Paris, que causaram 130 mortos a 13 de novembro.

O ministério público francês pediu detenção provisória para o suspeito.

O advogado francês do suspeito, Frank Berton, afirmou ter ficado surpreendido com a rapidez das autoridades belgas na entrega de Abdeslam, que deverá ser interrogado na quinta-feira, a França.

Berton lembrou que Abdeslam pediu para ser entregue às autoridades francesas, com as quais vai cooperar.

Em declarações à emissora France Info, Berton afirmou, depois de um encontro com Abdeslam na Bélgica, que a atitude do seu cliente não é a "de se manter em silêncio", habitual em acusados de crimes de terrorismo.

Exclusivos