Ryan tem sete anos e já é dono de uma empresa de reciclagem

Começou a recolher o lixo reciclável do bairro quando tinha apenas três anos. Aos sete, tem uma empresa

Ryan Hickman começou um negócio com apenas três anos e meio: decidiu apanhar todas as latas e garrafas do bairro e levá-las a reciclar. Hoje, com sete anos, é CEO, gerente e funcionário da empresa Ryan's Recicling Company, em Orange County, na Califórnia, e já conseguiu ganhar mais de 11 mil dólares - cerca de dez mil euros.

A intenção de Ryan é, acima de tudo, salvar o ambiente: "as garrafas vão para o oceano e depois os animais ficam doentes e morrem", disse à CNN.

Segundo Damion, pai de Ryan, a ideia do negócio surgiu quando Ryan visitou pela primeira vez o centro de reciclagem rePlanet na Califórnia, Estados Unidos. No dia seguinte, decidiu começar a recolher o lixo do bairro e até agora já reciclou mais de 200 mil garrafas e latas.

O processo é simples: Ryan vai bater à porta dos vizinhos para pedir garrafas e latas e tem cerca de 50 clientes fixos. Alguns dos moradores do bairro até vão à casa de menino entregar os recicláveis sempre que podem. A cada três semanas, Ryan e o pai vão ao centro de reciclagem entregar o que recolheram e ajudar a separar o lixo.

Até na escola, Ryan gosta de reciclar e ajuda José, o porteiro, a recolher o lixo. "Eu quero vê-lo com os amigos, mas reciclar deixa-o feliz", conta o pai. Ryan recrutou entretanto os colegas para ajudarem com a tarefa.

Damion garante que o dinheiro que o filho tem conseguido está a ser colocado numa conta-poupança que deverá pagar um curso universitário no futuro. Ryan, por outro lado, diz que vai comprar um camião do lixo com o dinheiro.

Além de se ocupar da reciclagem, a empresa de Ryan também vende t-shirts, mas o pai do pequeno empresário diz que todo o dinheiro proveniente das vendas é doado ao Pacific Marine Mammal Center, um dos sítios preferidos de Ryan. "Gosto de lá ir e olhar para os leões-marinhos. O dinheiro que doamos dá-lhes medicamentos e comida", frisa.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.