Rússia admite ter sido origem de nuvem radioativa na Europa

Concentração "extremamente elevada" de radioatividade afetou a Europa em outubro

A agência russa de meteorologia Rosguidromet admitiu esta segunda-feira que a concentração "extremamente elevada" de ruténio-106, que originou uma nuvem radioativa na Europa em outubro, foi detetada em setembro em várias regiões da Rússia.

O ruténio-106 "foi detetado pelas estações de observação de Arguaiach e Novogorny, entre 25 de setembro e 01 de outubro", confirmando os registos de várias entidades europeias que monitorizaram a situação.

A agência indicou que a taxa mais elevada da presença de ruténio foi registada na estação de Arguaiach, uma localidade próxima de Tcheliabinsk, sul dos Urais, "excedendo 986 vezes" as concentrações detetadas em agosto.

Rosguidromet não revelou qualquer indicação sobre a potencial fonte da poluição, mas Arguaiach situa-se a 30 quilómetros do complexo nuclear Maiak, atualmente destinado ao tratamento de combustível nuclear usado.

Em Maiak, em 1957, aconteceu um dos piores acidentes nucleares da história.

O ruténio-106 foi depois detetado no Tartaristão, membro da federação russa, localizado a sul, antes da nuvem se ter detetado em "todos os países europeus, a partir de Itália até aos países do norte da Europa".

A nuvem de radioatividade começou a ser detetada em 29 de setembro e o Instituto de Radioproteção e Segurança Nuclear (IRSN) de França, determinou, após investigação, que "a zona mais plausível de origem de ruténio-106 se situava entre o rio Volga e a cordilheira dos Urais, que engloba as zonas da Rússia e do Cazaquistão.

O IRSN precisou que a origem da nuvem de poluição não podia ser proveniente de um reator nuclear porque outros elementos radioativos tinham sido detetados e admitiu "a hipótese de libertação de uma instalação" dedicada ao ciclo do combustível nuclear ou ao fabrico de fontes radioativas.

"Os níveis de concentração de ruténio no ar na Europa, incluindo a França, não têm consequência tanto para a saúde humana como para o ambiente", observou o IRSN.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.