Risco de novo tsunami mantém Indonésia em alerta

Vulcão Anak Krakatau mantém intensa atividade. População de Sumatra e Java aconselhada a manter-se longe da costa.

Uma nova erupção do vulcão Anak Krakatau, este domingo, fez aumentar os receios de um novo tsunami na região, depois de uma onda gigante ter assolado a costa das ilhas de Sumatra e Java, matando pelo menos 373 pessoas, ferindo 1459, com 128 pessoas ainda desaparecidas, de acordo com o balanço mais recente. As autoridades indonésias mantêm o aviso para as pessoas se manterem afastadas das zonas costeiras.

Em conferência de imprensa, o porta-voz da Agência Nacional de Gestão de Desastres, Sutopo Purwo Nugroho, afirmou que, face à continuada atividade vulcânica do Anak Krakatau, mantém-se o risco de um novo tsunami. "A recomendação da Agência de Meteorologia e Climatologia é que as pessoas não vão para as praias e se mantenham afastadas das zonas costeiras durante algum tempo", alertou.

O tsunami do último sábado foi desencadeado por um deslizamento submarino causado pela erupção do Anak Krakatau. O fenómeno não foi precedido por um aviso à população, segundo explicaram os responsáveis indonésios porque o sistema de alerta está preparado para identificar tsunamis em resultado de sismos, e neste caso não houve uma atividade sísmica de relevo. E a água não recuou, como sucede num tsunami provocado por um terramoto.

O Anak Krakatau fica no Estreito de Sunda, que liga o Oceano Índico ao Mar de Java. O nome significa "filho do Krakatau" - o original era um enorme vulcão que em 1883 fez desaparecer a ilha onde se situava, provocando a morte a cerca de 36 mil pessoas, e fazendo nascer outra onde se situa agora o vulcão que entrou em atividade.

Notícia atualizada às 13:45, com o novo balanço do número de vítimas

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.