Rajoy revela sete eixos do programa para as legislativas

Primeiro-ministro esteve ontem no Fórum do 'El Mundo'. Seguem-se outros líderes

Avançar no emprego, crescer de forma sustentada e competitiva, fortalecer o estado das autonomias, reforçar os pilares do Estado social, completar a melhoria da educação, continuar a modernizar a Administração e manter um compromisso permanente de regeneração da vida pública. São estes os sete eixos do programa do Partido Popular para "consolidar a recuperação" em Espanha e com o qual o primeiro-ministro Mariano Rajoy espera conseguir a reeleição nas legislativas de 20 de dezembro.

"A Espanha necessária é a que se fundamenta nestes sete eixos porque neles está tudo: a nossa economia, o emprego, as oportunidades para os jovens e a segurança para os idosos", afirmou Rajoy no Fórum do El Mundo, um ciclo de conferências que dará voz aos outros líderes partidários e candidatos nas próximas semanas.

Apesar de ter aceitado o convite do El Mundo, o primeiro-ministro disse "não" a outro jornal espanhol. O El País anunciou que, apesar da ausência de Rajoy, irá fazer um debate que será transmitido online entre os candidatos: o secretário-geral do PSOE, Pedro Sánchez, o líder do Ciudadanos, Albert Rivera, e o dirigente do Podemos, Pablo Iglesias. Ainda não é conhecida a data. As últimas sondagens colocam PP (23,5%), Ciudadanos (22,5%) e PSOE (21%) em empate técnico, seguidos do Podemos (17%).

Fazendo um balanço positivo do seu mandato e assegurando que "os resultados obtidos" são "a melhor prova do sucesso" das suas políticas, o primeiro-ministro alertou contudo que existem riscos no futuro. "Este programa para o crescimento é radicalmente incompatível com a incerteza institucional ou política e muito mais com um projeto de rutura de ordem constitucional", explicou.

Com o tema do processo independentista da Catalunha na agenda - "o maior desafio que viveu a ordem constitucional e a nação espanhola em décadas" - Rajoy referiu que após uma ronda de negociações com os líderes partidários "existe um consenso básico de quase todos à volta de quatro eixos fundamentais: a defesa da unidade de Espanha, da soberania do povo espanhol, da igualdade dos espanhóis e do respeito pela lei".

Em relação ao que pretende fazer caso o processo independentista vá em frente, disse que não quer "adiantar-se aos acontecimentos" mas deixou claro que irá recorrer de qualquer declaração de independência "no dia seguinte ou quanto muito dois dias depois" dela acontecer. Por enquanto, Rajoy diz caso vença as eleições de 20 de dezembro quer negociar um novo sistema de financiamento das autonomias que "garanta que todos os espanhóis, vivam onde vivam, possam aceder ao mesmo nível e qualidade de serviços públicos básicos". Mas essa reforma terá que ser feita lado a lado com a reforma fiscal.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.