Quem é Abdelhamid Abaaoud, o cérebro dos atentados segundo as secretas francesas

O belga é considerado o responsável pela organização dos atentados de sexta-feira em paris e terá participado também no ataque falhado ao TGV em agosto

Um dos principais suspeitos de ser responsável pelos atentados em Paris, Abdelhamid Abaaoud, está na Síria. Mas quem é afinal o homem que os serviços secretos franceses dizem ser "a melhor aposta" de estar por detrás da organização das explosões e tiroteios na capital francesa?

Abdelhamid Abaaoud, de 27 anos, tem nacionalidade belga e origem marroquina. As autoridades belgas e francesas acreditam que Abaaoud é o líder de uma célula terrorista belga, e que se encontra na Síria.

Após os ataques ao jornal satírico Charlie Hebdo, também em Paris, no mês de janeiro, 13 membros da célula terrorista com base de operações na Bélgica foram detidos, mas Abaaoud, que se pensa ser um dos cabecilhas, escapou.

Num julgamento que terminou em julho, Abaaoud foi condenado, sem se encontrar presente, a 20 anos de prisão por liderar uma rede de recrutamento de jihadistas para a organização terrorista Estado Islâmico, mas manteve-se sempre a monte. Terá chegado à Síria em janeiro deste ano.

Suspeita-se também que, em agosto, Abdelhamid Abaaoud esteve ligado ao atentado falhado no comboio de alta velocidade Thalys.

Ele aparenta ser o cérebro de vários ataques planeados na Europa

Agora, as secretas francesas acreditam que Abaaoud será o "cérebro" por detrás da logística dos atentados desta sexta-feira, que causaram pelo menos 129 mortos em Paris. "Ele aparenta ser o cérebro de vários ataques planeados na Europa", disse uma fonte francesa à agência noticiosa AFP, acrescentando que seria a "melhor aposta" da investigação.

As autoridades belgas não quiseram comentar que suspeitassem de Abaaoud como líder da operação. "Isso são rumores", disse o procurador belga Eric Van Der Sypt à agência Reuters. "Não está de todo confirmado, e não vamos comentar isso".

Acusado de raptar o irmão mais novo

Em janeiro de 2014, Abaaoud terá levado o seu irmão mais novo, Younes, de apenas 13 anos, para a Síria para que fosse recrutado enquanto jihadista no Estado Islâmico. Quando o pai dos dois não teve notícias dos filhos, apresentou uma queixa contra Abaaoud junto à polícia belga. Younes ficou conhecido como "o jihadista mais jovem".

Abaaoud começou por ser reconhecido num vídeo do Estado Islâmico em que surgia ao volante de um veículo com corpos mutilados, em janeiro deste ano.

Numa entrevista com a revista de propaganda da organização terrorista Dabiq, em fevereiro, Abaaoud congratulou-se por ter conseguido escapar às autoridades europeias que o perseguiam, e também pelo facto de ter conseguido planear ataques terroristas quando ainda estava na Bélgica. "O meu nome e a minha fotografia estavam nas notícias e mesmo assim consegui ficar na terra deles, planear operações e sair com segurança quando foi necessário", disse.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG