Putin terá estado envolvido em caso de pirataria informática

Serviços de informação norte-americanos acreditam que presidente russo foi motivado por um desejo de vingança contra Hillary Clinton, avança a NBC

Responsáveis dos serviços de informação dos Estados Unidos acreditam que o Presidente russo, Vladimir Putin, está pessoalmente envolvido no caso da pirataria informática que marcou as eleições Presidenciais dos Estados Unidos de 08 de novembro.

A rede de televisão NBC divulgou que o envolvimento de Putin teria sido motivado por um desejo de vingança contra Hillary Clinton, candidata Presidencial pelo Partido Democrata nas eleições de 08 de novembro.

O próprio Putin teria dado instruções sobre como filtrar e utilizar as mensagens roubadas ao Partido Democrata através da pirataria informática, revelou hoje a NBC, citando dois funcionários que teriam conhecimento desta informação.

Os responsáveis dizem ter "um alto grau de confiança" nestas conclusões.

"Estes absurdos não têm qualquer fundamento", disse hoje o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, sobre estas alegações que teriam sido feitas pelos serviços de informação norte-americanos.

A CIA concluiu num relatório secreto, revelado na semana passada pelo jornal Washington Post, que a Rússia realizou ataques informáticos durante a campanha eleitoral com a finalidade específica de ajudar Donald Trump, candidato do Partido Republicano, a ser eleito Presidente e não o de perturbar o desenrolar geral da eleição.

O Presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, já rejeitou categoricamente estas alegações.

De acordo com a NBC, Putin nunca teria perdoado as declarações de Hillary Clinton, quando esta era ainda chefe da diplomacia norte-americana, que colocavam em causa a integridade das eleições parlamentares na Rússia em 2011.

Putin também seria acusado de encorajar os manifestantes a ir para as ruas.

Os funcionários dos serviços de informação asseguraram à NBC que Putin teria inicialmente agido por vingança contra a candidata democrata, antes de alargar o seu objetivo, ao procurar mostrar ao mundo as falhas da política nos Estados Unidos.

Nas palavras de um dos responsáveis dos serviços de informação, a intenção seria de "dividir os aliados cruciais dos Estados Unidos, dando-lhes a impressão de que não poderiam mais contar com os Estados Unidos como líder mundial credível".

Tendo em vista uma possível retaliação, os serviços de informação dos Estados Unidos iriam examinar de perto a riqueza pessoal de Vladimir Putin, referiu ainda a NBC, citando as suas fontes.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG