Procurador da Lava Jato: governos anteriores controlavam investigações

Responsável elogia o PT pela "independência" que tem permitido à atividade do Ministério Público

O procurador da República Carlos Fernando dos Santos Lima, integrante da equipa que trata da Operação Lava Jato, disse hoje que os anteriores governos brasileiros controlavam as instituições de investigação.

"Os governos anteriores realmente mantinham o controle das instituições, mas esperamos que isso esteja superado", disse o procurador, citado pela imprensa, numa declaração vista como um recado para futuros governantes.

O responsável destacou como "um ponto positivo que os governos investigados do PT [Partido dos Trabalhadores, da atual Presidente] têm a seu favor": "boa parte da independência atual do Ministério Público, da capacidade técnica da Polícia Federal decorre de uma não intervenção do poder político, fato que tem que ser reconhecido".

Carlos Fernando dos Santos Lima respondia assim à possibilidade de Michel Temer, vice-Presidente brasileiro e presidente do Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB), assumir a liderança do país.

O PMDB decidiu, esta terça-feira, abandonar a coligação governamental, o que agrava os problemas da Presidente Dilma Rousseff, que enfrenta pedidos de destituição do cargo.

À margem da sua participação numa palestra na Câmara Americana de Comércio Brasil-Estados Unidos, em São Paulo, o procurador alertou que existem riscos de interferência na investigação.

"Nós temos riscos de obstaculização da operação quase que diariamente, as interceptações telefónicas mostram isso. Colaboradores mostram isso. Agora, creio que as pessoas perceberam que o risco de tentar obstruir a Lava Jato é muito grande", avisou.

A Lava Jato investiga um esquema de corrupção que envolve várias empresas, incluindo a petrolífera Petrobras, e vários políticos, como o ex-Presidente Lula da Silva.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.