Inaugurado monumento aos soldados portugueses da I Guerra Mundial

É um vitral e é uma homenagem aos que morreram na I Grande guerra. A janela pode ser vista na Igreja de St. James, nos arredores de Londres, que era frequentada pelo rei Manuel II

O primeiro monumento de homenagem no Reino Unido aos soldados portugueses mortos durante a Primeira Guerra Mundial, um vitral, foi hoje inaugurado na igreja de St. James nos arredores de Londres que foi frequentada pelo rei Manuel II.

A janela é uma obra da artista Caroline Benyon, feita na sequência de uma campanha iniciada pelo pároco da igreja católica, Ulick Loring, após conhecer a ligação com o monarca português exilado em Twickenham após a proclamação da república em Portugal, em 1910.

"Quando cheguei aqui, ouvi histórias sobre o facto de o último rei de Portugal, Manuel II, frequentar esta igreja. E alguns anos depois decidimos instalar um memorial para ele e para a mulher. E foi durante a preparação que tive conhecimento de que os portugueses apoiaram os seus aliados durante a Primeira Guerra Mundial e que D. Manuel fez bastante trabalho humanitário pelos feridos da Primeira Guerra", recordou, em declarações à agência Lusa.

A ideia de criar um memorial permanente aos soldados mortos durante a Primeira Guerra Mundial surgiu "porque não existe mais nenhum neste país, apesar de descrevermos Portugal como os nossos aliados mais antigos. Por isso senti que estávamos a fazer justiça aos portugueses".

A janela dedicada aos soldados portugueses tem no topo o Arcanjo Miguel, o anjo da guerra, que simboliza os sacrifícios dos portugueses na guerra, uma imagem de soldados nas trincheiras e uma esfera armilar portuguesa.

Ao lado foi inaugurada outro vitral em homenagem a Manuel II, com a imagem do Arcanjo Gabriel, o anjo da cura, que representa o trabalho humanitário do rei em prol dos feridos da guerra, junto a uma enfermeira da Cruz Vermelha.

Um frequentador assíduo desta igreja, o diácono Nick Reynolds, elogiou as janelas, cuja instalação apoiou por ter também ligações familiares a Portugal.

"São muito bonitas, muito bonitas. E são uma boa memória, uma lembrança do passado e uma lembrança para sempre. Há muitos paroquianos que não ligavam tanto à história desta igreja. Mas hoje foi muito importante para dar mais importância ao que significa esta igreja e a ligação a Portugal", disse à Lusa.

Outra fiel da igreja, Antónia Alves Short, também mostrou orgulho pela homenagem, manifestando-se "emocionada" pela cerimónia realizada para a inauguração dos dois vitrais.

A missa teve direito a uma guarda de honra de veteranos militantes britânicos, que se apresentaram fardados, e outros dos presentes na cerimónia usaram as medalhas dos seus antepassados.

Centenário da Batalha de La Lys

A inauguração coincidiu com o 100.º aniversário da batalha de La Lys, em França, que resultou em mais de 7.000 baixas portuguesas entre mortos (400), feridos e 6.600 prisioneiros, sendo um dos mais mortíferos da história militar de Portugal.

A celebração na igreja de St. James foi dirigida pelo bispo John Wilson, sendo um dos adjuntos do cardeal Vincent Nichols, arcebispo de Westminster e líder da igreja Católica em Inglaterra e País de Gales, e incluiu alguns cantos em português, incluindo o hino nacional.

O embaixador de Portugal no Reino Unido, Manuel Lobo Antunes, disse que foi "uma homenagem mais do que justa", pela qual se manifestou "muito agradecido e muito comovido".

Referindo a ligação que a paróquia mantém ainda hoje com Manuel II, o diplomata entendeu que foi feita "uma justa homenagem aos portugueses que morreram nos campos da Flandres, em França, mas também à memória de um rei que é estimado".

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?