Primeira condenação pelos incidentes de Ano Novo. Mas por roubo

A maior parte dos agressores sexuais provavelmente nunca serão detidos, admitiu chefe da polícia.

Um jovem marroquino foi hoje condenado em Colónia (oeste) a seis meses de prisão com pena suspensa por roubo, a primeira decisão da justiça alemã após os ataques na noite da passagem de ano atribuídos a migrantes.

Dois outros suspeitos, um marroquino de 18 anos e um tunisino de 22, devem comparecer hoje perante os juízes, sendo acusados de terem roubado uma máquina fotográfica na mesma noite.

Nenhum destes casos tem a ver com as agressões sexuais de que terão sido alvo centenas de mulheres, que festejavam junto à estação central de Colónia.

O jovem condenado, de 23 anos, que reconheceu os factos na audiência e pediu desculpa, tem ainda de pagar uma multa de 100 euros.

Foi considerado culpado do roubo de um telemóvel. A vítima perseguiu o jovem e permitiu a sua detenção pela polícia, que encontrou na sua posse 0,1 gramas de anfetaminas.

Mais de 1.000 denúncias foram apresentadas relativas a delitos ocorridos na noite de Ano Novo em Colónia, cerca de metade por agressões sexuais.

A polícia indicou que a maioria dos suspeitos eram homens de aspeto árabe e norte-africano e deteve até agora 15 pessoas.

O chefe da polícia de Colónia, Jürgen Mathies, disse à BBC que a maior parte dos agressores sexuais provavelmente nunca serão detidos, tendo em conta a má qualidade das imagens de vídeo vigilância e a falta de testemunhos fiáveis, que tornam o trabalho de identificação particularmente difícil.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG