Rio de Janeiro decreta estado de calamidade pública por causa das chuvas

No início desta semana, em apenas quatro horas o volume de chuva na cidade foi 70% superior ao esperado para o mês de abril.

O prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, decretou esta quinta-feira o estado de calamidade pública por causa das chuvas que atingem a cidade desde o início da semana e que já causaram pelo menos dez mortos.

O decreto, publicado no Diário Oficial, garante à Prefeitura do Rio de Janeiro poder para executar medidas excecionais, como, por exemplo, realocar verbas e solicitar recursos do Governo Federal para reparar os estragos causados pelas chuvas.

A câmara municipal também autorizou a verba de 40 milhões de reais (9,2 milhões de euros), dinheiro que deverá ser usado em drenagem e manutenção da rede de águas pluviais.

O temporal que atingiu a cidade mais emblemática do Brasil a partir do fim da tarde da última segunda-feira foi o mais forte em 22 anos, segundo o órgão Alerta Rio, ligado à Prefeitura do Rio.

O volume de chuva acumulado no Rio de Janeiro em apenas quatro horas na noite de segunda-feira foi 70% superior ao esperado para todo o mês de abril em alguns locais.

Ao longo da semana as chuvas perderam força, mas na manhã desta quinta-feira a situação ainda era de crise, segundo dados do Alerta Rio.

Exclusivos

Premium

Alentejo

Clínicos gerais mantêm a urgência de pediatria aberta. "É como ir ao mecânico ali à igreja"

No hospital de Santiago do Cacém só há um pediatra no quadro e em idade de reforma. As urgências são asseguradas por este, um tarefeiro, clínicos gerais e médicos sem especialidade. Quando não estão, os doentes têm de fazer cem quilómetros para se dirigirem a outra unidade de saúde. O Alentejo é a região do país com menos pediatras, 38, segundo dados do ministério da Saúde, que desde o início do ano já gastou mais de 800 mil euros em tarefeiros para a pediatria.