Presidente encontra-se com Rafael Marques e Luaty Beirão

Os ativistas Rafael Marques e Luaty Beirão são alguns dos líderes de organizações da sociedade civil e não-governamentais recebidos terça-feira pelo Presidente de Angola, João Lourenço. Vão analisar "questões da atualidade", segundo o comunicado oficial.

João Lourenço vai reunir-se com os ativistas Rafael Marques, da Fundação Open Society Angola, e Luaty Beirão e Alexandra Simeão, ambos da associação Handeca - criada depois do cado dos 17 ativistas condenados por ators preparatórios de rebelião, no governo de José Eduardo dos Santos. Estes são os nomes mais sonantes desta reunião, mas estarão igualmente presentes representantes de cerca de uma dezena de instituições ligadas à defesa dos direitos humanos, desenvolvimento rural, direito e promoção da juventude.

No encontro deverão também participar Fernando Macedo, pela Associação Justiça, Paz e Desenvolvimento (AJPD); Salvador Freire, pela Associação Mãos Livres, e José Patrocínio, pela OMUNGA. Outras associações com participação confirmada na audiência coletiva são também o Centro Cultural Mosaico, a Ação para o Desenvolvimento Rural e Ambiente (ADRA), a AMANGOLA e os Conselhos Nacional e Provincial da Juventude.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.