Populistas de Salvini passam a ser o segundo partido com mais peso no Parlamento Europeu

As duas grandes famílias políticas europeias podem perder a maioria que há muito detêm no Parlamento Europeu, segundo uma projeção divulgada esta segunda-feira em Bruxelas. Movimentos anti-europeístas podem dominar eleições de maio em Itália

As duas grandes famílias políticas europeias devem perder a maioria que há muito têm no Parlamento Europeu e os anti-europeístas italianos da Liga (que deixou cair o Norte do nome para se perder o cunho regional com que nasceu) podem muito bem passar a ser o segundo partido mais representado na Europa, logo atrás da poderosa CDU alemã. Estas são as principais conclusões das projeções apresentadas esta segunda-feira pelo Parlamento Europeu, as primeiras de uma série de estudos que sairão quinzenalmente até às eleições de final de maio. Mas se movimentos populistas como o de Matteo Salvini, mas também o 5 Estrelas (M5S, Itália) ou o Vox (Espanha) podem ter um peso expressivo na próxima assembleia, ainda são os europeístas que dominam a maior parte dos lugares.

O PS pode eleger nove deputados e é um dos poucos partidos socialistas a poder ganhar as eleições nacionais

A projeções, que se baseiam nas sondagens realizadas em cada Estado-membro, mostram que o Partido Popular Europeu (PPE) e os Socialistas e Democratas (S&D), juntos, podem ficar-se pelos 45% na próxima legislatura, uma descida de 9% em relação à composição atual do Parlamento Europeu. O PPE, que integra os portugueses PSD e CDS-PP, mantém-se como a maior família política europeia, com 26% das intenções de votos dos cidadãos europeus, perdendo, no entanto, 3% relativamente a 2014. Na prática, essa 'quebra' traduzir-se-ia na perda de 34 eurodeputados para um total de 183, uma redução ainda assim menor do que aquela que é projetada para os Socialistas e Democratas (S&D), grupo no qual se inclui o PS, que à sua conta pode eleger nove deputados e é um dos poucos partidos socialistas a poder ganhar as eleições nacionais. Em Portugal, as intenções de voto destacadas no documento do Parlamento Europeu - que têm por base a última sondagem da Aximage, publicada a 24 de janeiro no Jornal de Negócios, com uma amostra de 608 entrevistas - dão 38,5% ao PS, 23,4% ao PSD (seis mandatos) e 13,4% (três deputados) à CDU. A fechar o lote de partidos que conseguiriam eleger eurodeputados estão o CDS (9,9% das intenções de voto - 2 deputados) e o Bloco de Esquerda (7,5%, para um mandato).

Socialistas europeus têm a maior queda

Depois de elegerem 186 deputados nas anteriores eleições europeias e de somarem 25% dos votos, os socialistas europeus devem ficar-se pelos 135 assentos e 19% dos votos. Em crescendo está a Aliança dos Liberais e Democratas pela Europa (ALDE) que, segundo as projeções hoje divulgadas pelo PE, se poderá tornar na terceira força política na assembleia europeia, com 75 eurodeputados, mais sete do que atualmente, e 11% das intenções de voto, uma subida de 1,5%. O ALDE poderá superar assim o grupo dos Conservadores e Reformistas Europeus, a terceira força política no PE atual, que deverá perder 24 assentos e 2,5%, e ficar com 51 eurodeputados e 7% dos votos.

A perder estão também os Verdes europeus, com menos sete eurodeputados e 0,5% das intenções de voto (45 deputados e 6%, respetivamente), e o Grupo Confederal da Esquerda Unitária Europeia/Esquerda Verde Nórdica do Parlamento Europeu (GUE/NGL), que integra PCP e o Bloco de Esquerda, que deverá ter menos seis eurodeputados.

As incógnitas 5 Estrelas e Em Marcha!


Mas é na categoria "Outros" que reside a grande incógnita das próximas eleições, com as projeções a atribuírem 58 lugares àqueles partidos que nem têm assento no atual PE, nem pertencem oficialmente a um grupo político. Na apresentação das projeções, que incluem dados de todos os 27 Estados-membros - o Reino Unido deverá sair da União Europeia em 29 de março -, o porta-voz do PE, Jaume Duch, revelou que, neste momento, as duas grandes incógnitas na futura distribuição de assentos da assembleia europeia são o partido do presidente francês, Emmanuel Macron, e o italiano Movimento 5 Estrelas. Macron ainda não anunciou que grupo o seu La Republique en Marche! (LREM) irá integrar, o mesmo acontecendo com o M5S, que manifestou a intenção de se desvincular do grupo da Europa das Liberdades e da Democracia Direta (EFDD).

Os dois movimentos populistas italianos somam bem mais de metade (58%) do total das intenções de voto do seu país

O M5S deve mesmo ser um dos grandes vencedores das eleições em Itália, onde tem atualmente um quarto das intenções de voto, correspondentes a 22 eurodeputados. Melhor, só mesmo a Liga de Salvini, com as projeções a apontarem para um resultado acima dos 32%, que se traduzem em 27 deputados, apenas dois atrás, a nível continental, da CDU alemã. No total, os dois movimentos populistas italianos somam bem mais de metade (58%) do total das intenções de voto do seu país.

Entrada do Vox no Parlamento

Em Espanha, o Vox, também no campo mais à direita, pode vir a ter mais um resultado expressivo, depois do sucesso nas regionais da Andaluzia: com um discurso marcadamente anti-imigração, o Vox pode vir a ser a quinta força mais votada nas europeias em Espanha, onde tem cerca de 10% das intenções de voto, que a concretizarem-se podem levar à eleição de seis deputados.

O novo Parlamento Europeu, que resultará das eleições que se realizam entre 23 e 26 de maio, terá 705 eurodeputados, menos 46 do que o atual, em resultado da saída do Reino Unido da União Europeia. Portugal elege 21 deputados. As projeções hoje divulgadas têm por base sondagens nacionais, "com critérios credíveis e indicadores de qualidade relativamente à amostra e metodologia", de cada um dos Estados-membros.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...