Polónia "não vai pagar pelos crimes da Alemanha nazi"

Líder do partido do governo na Polónia defendeu polémica lei sobre o Holocausto aprovada recentemente na Polónia

O presidente do partido que governa na Polónia, Jaroslaw Kaczynski, disse hoje que o país centro europeu "não vai pagar pelos crimes cometidos pelos alemães" durante a II Guerra Mundial e reiterou que os polacos "não são antissemitas".

Kaczynski, considerado como o "homem forte", na sombra, da Polónia, antigo primeiro-ministro (julho de 2006 a setembro de 2007), comentava a polémica gerada pela Lei sobre o Holocausto, aprovada recentemente pela Polónia, que contempla, entre outras questões, penas de prisão até três anos pelo uso da expressão "campos de concentração polacos" ou acusar o país de "cumplicidade no genocídio".

Estas normas na nova lei foram duramente criticadas por Israel, que considera que "tentam desafiar a verdade histórica" e que pode disseminar a cumplicidade, direta ou indireta, de setores da sociedade polaca nos crimes contra os judeus.

Numa entrevista publicada hoje pelo semanário "Do Rzeczy", Kaczynski recordou que o conteúdo da lei está ainda a ser alvo de acertos e deixou a porta aberta a uma possível modificação das normas, tal como pedem as autoridades israelitas.

No entanto, o líder do partido Lei e Justiça polaco admitiu ter ficado surpreendido com a reação de Israel uma vez que, disse, "não havia motivos para uma resposta tão crítica".

Kaczynski recordou que, em novembro de 2016, durante a visita a Israel da então primeira-ministra polaca, Beata Szydlo, foi apresentada a possibilidade de uma lei neste sentido, garantindo que não foi mal recebida pelas autoridades israelitas.

"É importante recordar que a Polónia de entre guerras garantiu, na medida das suas possibilidades, a convivência entre todas as etnias e religiões que viviam no país. Foi a queda do Estado polaco, após a invasão nazi e soviética, que permitiu o genocídio tanto de judeus, como de ucranianos, bielorrussos e polacos", disse o líder do Lei e Justiça.

Exclusivos

Premium

Alentejo

Clínicos gerais mantêm a urgência de pediatria aberta. "É como ir ao mecânico ali à igreja"

No hospital de Santiago do Cacém só há um pediatra no quadro e em idade de reforma. As urgências são asseguradas por este, um tarefeiro, clínicos gerais e médicos sem especialidade. Quando não estão, os doentes têm de fazer cem quilómetros para se dirigirem a outra unidade de saúde. O Alentejo é a região do país com menos pediatras, 38, segundo dados do ministério da Saúde, que desde o início do ano já gastou mais de 800 mil euros em tarefeiros para a pediatria.