Polícia moçambicana resgata criança albina sequestrada para rituais

Grupo que tinha a criança de 11 anos era constituído por cinco pessoas

A polícia moçambicana recuperou uma criança albina das mãos de raptores que já lhe tinham cortado as orelhas e rapado a cabeça com o objetivo de usar diferentes partes do corpo em rituais mágicos, anunciou a corporação.

A criança de 11 anos foi resgatada na última semana na província central da Zambézia, perto da fronteira com o Malaui, de acordo com fonte policial citada hoje pela Agência de Informação de Moçambique (AIM).

O grupo era constituído por cinco traficantes de partes do corpo humano.

A vítima residente na província da Zambézia protagonizou o mais recente caso de sequestro de albinos, depois de o último caso conhecido pela polícia ter sido registado há meio ano, referiu a mesma fonte.

Os albinos atraem crenças em vários locais de África de que os respetivos órgãos e até as ossadas podem ser usados em rituais para atrair riqueza e poder.

De acordo com o relatório anual da Procuradoria-Geral da República de Moçambique, em 2016 foram movimentados 19 processos relacionados com casos de tráfico humano dos quais sete tinham como vítimas cidadãos com albinismo.

Estima-se que um número indeterminado de casos não chegue sequer à justiça.

Exclusivos

Premium

Espanha

Bolas de aço, berlindes, fisgas e ácido. Jovens lançaram o caos na Catalunha

Eram jovens, alguns quase adultos, outros mais adolescentes, deixaram a Catalunha em estado de sítio. Segundo a polícia, atuaram organizadamente e estavam bem treinados. José Manuel Anes, especialista português em segurança e criminalidade, acredita que pertenciam aos grupos anarquistas que têm como causa "a destruição e o caos" e não a luta independentista.