Policia desocupa sede do PAIGC provocando festa de militantes

Agentes ocupavam o espaço desde segunda-feira, tendo impedido o início na data prevista do congresso do partido

A polícia da Guiné-Bissau desocupou hoje a sede nacional do Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), dando lugar a uma festa popular de militantes em Bissau, com vivas à democracia e à liberdade.

Alegando ordens judiciais, a policia ocupou a sede do PAIGC desde segunda-feira, impedindo o início do congresso do partido que deveria iniciar na terça-feira a tarde.

Após algumas horas do cerco ao edifício, situado a um metro do palácio presidencial, a policia acabaria por expulsar do imóvel alguns militantes e dirigentes que aí se encontravam e que se dirigiram para a sede das Nações Unidas para pedir socorro.

Na noite de terça-feira, numa cerimónia improvisada num hotel de Bissau, o líder do partido, Domingos Simões Pereira, procedeu a abertura simbólica do congresso.

O secretário nacional do PAIGC, Aly Hijazi, disse aos jornalistas que a devolução da sede aos militantes foi ordenada pela Comunidade Económica de Estados da Africa Ocidental (CEDEAO), que enviou a Bissau uma missão de alto nível.

O dirigente não desmentiu que o novo primeiro-ministro, Artur Silva, proposto pelo Presidente do país e rejeitado pelo PAIGC, tenha contribuído para a recuperação da sede do partido, de que é também dirigente.

"É uma contribuição válida, não podemos deixar de citar isso, mas não foi só isso", observou Aly Hijazi, quando questionado pela Lusa sobre se confirmava a indicação de que teria sido Artur Silva a ordenar ao ministro do Interior do Governo demissionário, Botche Candé, a devolução da sede ao PAIGC.

Hajazi enalteceu o trabalho feito pelos órgãos do partido, a resistência demonstrada pelos militantes e ainda o facto de a atuação da polícia não ter cobertura legal, para o desfecho que hoje motivou uma festa popular aos apoiantes do PAIGC.

Após uma revista minuciosa, para determinar se não foram colocados materiais suspeitos, nomeadamente microfones e ou objectos ou substâncias comprometedoras, o congresso será retomado ainda esta noite, adiantou o secretário nacional do partido.

Dezenas de militantes afluíram à sede, poucos minutos depois de a polícia levantar o cerco, cantando e dançando, elogiando a coragem do líder do partido, Domingos Simões Pereira, mas também gritando vivas à democracia e à liberdade.

A festa que se montou em frente à sede estava colorida com bandeiras, cachecóis e chapéus do PAIGC.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.