Confrontos em Hamburgo:111 policias feridos e 44 detenções

A polícia de Hamburgo voltou hoje a recorrer a canhões de água para dispersar manifestantes que querem bloquear os acessos à cimeira do G20, depois de distúrbios que resultaram em 111 agentes feridos e 44 detidos.

A polícia divulgou hoje um comunicado com a contagem mais recente dos incidentes durante a noite, protagonizados por jovens encapuzados que tomaram o controlo de uma manifestação convocada na tarde de quinta-feira sob o lema "bem-vindos ao inferno".

Hoje, grupos de ativistas tentaram bloquear os acessos ao centro de congressos onde durante dois dias decorre a cimeira das principais economias do mundo e as potências emergentes, tendo a polícia recorrido a canhões de água para os dispersar.

O ministro das Finanças alemão, Wolfgang Schäuble, que ia participar num evento no G20, cancelou a sua presença face ao dispositivo de segurança destacado, informaram os organizadores do evento.

A polícia de Hamburgo informou também que tinham sido detetados objetos nos carris de uma estação de comboio, o que afetou a circulação ferroviária em vários pontos.

Cerca de 12.000 pessoas participaram na manifestação de quinta-feira e as forças de segurança identificaram cerca de 2.000 delas, a maioria encapuzados, incluindo elementos de grupos violentos.

Objetos foram arremessados contra a polícia durante a noite, resultando em danos em viaturas, lojas e imóveis, assim como no ferimento de agentes.

A polícia disse não ter informação de manifestantes ou transeuntes feridos.

Mais de 19.000 polícias foram destacados para a segurança da cimeira, escreve a agência espanhola Efe.

"Operação em curso contra pessoas violentas"

A polícia federal informou, pouco antes das 07:00 (08:00 em Lisboa), sobre uma "operação em curso contra pessoas violentas", que lançaram cocktails Molotov e incendiaram "viaturas de patrulha" no bairro de Altona, perto de uma esquadra da polícia, de acordo com uma mensagem difundida através da rede Twitter.

Segundo as autoridades, são esperados até 100.000 manifestantes em ações à margem da cimeira do G20, marcada hoje pelo primeiro encontro entre os presidentes norte-americano, Donald Trump, e russo, Vladimir Putin.

Os manifestantes pretendem impedir o acesso dos chefes de Estado ao centro de congressos.

Quatro helicópteros da polícia sobrevoavam a zona, constatou um jornalista da agência noticiosa France Presse.

Exclusivos