Polícia colombiana faz maior apreensão de cocaína na história do país

A droga pertencia a um grupo criminoso conhecido pelo nome Clan Úsuga, o maior da Colômbia

Pelo menos oito toneladas de cocaína foram hoje aprendidas pela polícia colombiana no noroeste do país, o que constitui a maior quantidade na história do país, disse o presidente colombiano, Juan Manuel Santos.

A droga pertencia a um grupo criminoso conhecido pelo nome Clan Úsuga, o maior da Colômbia, e foi encontrada em Turbo, município do departamento de Antioquia, na região de Urabá, informou o Ministério da Defesa colombiano.

"Felicitamos a Polícia da Colômbia. A operação em Turbo permitiu apreender a maior quantidade de droga na história", disse Santos na sua conta da rede social Twitter.

De acordo com a polícia, os traficantes esconderam a cocaína num depósito subterrâneo (6,5 metros de comprimento, 3,5 metros de largura e 2,5 metros de profundidade), cujo interior estava forrado a madeira e o acesso coberto com uma tampa em cimento.

A operação começou na tarde de sábado e terminou hoje, contando com o apoio da aviação policial, que encontrou o esconderijo. Um grupo de 50 comandos da polícia nacional colombiana, apoiados por helicópteros 'Black Hawk', entrou na quinta e procedeu à apreensão.

A droga pertencia ao "número dois" do Clan Úsuga, Roberto Vargas Gutiérrez, conhecido por "Gavilán". O governo colombiano oferece 500 milhões de pesos (cerca de 150 mil euros) de recompensa pela captura de "Gavilán", indicou o mesmo comunicado.

De acordo com a polícia, a cocaína estava pronta para ser transportada, pelo mar das Caraíbas, para a América Central, de onde deveria seguir, provavelmente, para os Estados Unidos.

Na operação policial foram detidas três pessoas, cujos antecedentes criminais estão a ser averiguados.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.