Piratas informáticos acederam à rede elétrica dos EUA

Imprensa norte-americana avança que o ataque informático foi feito por piratas ligados ao governo russo

Piratas informáticos alegadamente ligados ao Governo russo acederam à rede elétrica dos Estados Unidos sem, no entanto, terem provocado interrupções no fornecimento de energia, noticiou hoje o jornal The Washtington Post.

O jornal cita funcionários governamentais norte-americanos, não identificados, que afirmam que o alvo do ataque informático foi uma das empresas de fornecimento de eletricidade do estado do Vermont.

"O acesso pode ter tido como objetivo a interrupção do serviço [que não chegaram a provocar] ou provar até que ponto os russos conseguem entrar na rede", escreve o The Washington Post, citando as mesmas fontes

Os Estados Unidos têm acusado o Governo russo de estar por trás de ataques informáticos ao Partido Democrata durante a campanha para as presidenciais norte-americanas de novembro com o objetivo de favorecer o candidato republicano, Donald Trump, que venceu as eleições.

Na quinta-feira, o Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, que termina o mandato em janeiro, decretou sanções económicas à Rússia por causa dessa alegada tentativa de ingerência nas eleições e determinou a expulsão de 35 diplomatas russos do país.

A empresa pública Burlington Electric, com sede em Burlington, a maior cidade do estado do Vermont, admitiu entretanto o ataque, mas diz que os piratas informáticos não chegaram a aceder à rede.

A Burlington Electric diz, num comunicado, que as empresas de fornecimento de energia norte-americanas foram alertadas pelo Departamento de Segurança Nacional dos EUA para um código de um 'software' malicioso que foi detetado num computador portátil da empresa que "não estava ligado à rede" da companhia.

O computador foi isolado e as autoridades federais foram alertadas, segundo o mesmo comunicado.

Exclusivos

Premium

Alentejo

Clínicos gerais mantêm a urgência de pediatria aberta. "É como ir ao mecânico ali à igreja"

No hospital de Santiago do Cacém só há um pediatra no quadro e em idade de reforma. As urgências são asseguradas por este, um tarefeiro, clínicos gerais e médicos sem especialidade. Quando não estão, os doentes têm de fazer cem quilómetros para se dirigirem a outra unidade de saúde. O Alentejo é a região do país com menos pediatras, 38, segundo dados do ministério da Saúde, que desde o início do ano já gastou mais de 800 mil euros em tarefeiros para a pediatria.